VISITAS!

CURTA O MUNDO REAL 21 NO FACEBOOK

MUNDO REAL 21 - ÚLTIMAS NOTÍCIAS

AQUI VOCÊ ENCONTRA SEMPRE AS MELHORES OFERTAS!

AQUI VOCÊ ENCONTRA SEMPRE AS MELHORES OFERTAS!
NO ARMAZÉM PARAÍBA DE TIANGUÁ!

O SEU MELHOR PROVEDOR DE INTERNET

O SEU MELHOR PROVEDOR DE INTERNET
REDENET TIANGUÁ - (88)3671-1144/9-9739-8777/9-9428-2616

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

CONHEÇA OS 10 MAIS TERRÍVEIS ASSASSINOS DO MUNDO

Um assassino em série, ou também comumente conhecido pelo termo em inglês serial killer, é um criminoso que possui um perfil psicopatológico.

Ele comete crimes com certa frequência obedecendo, na maioria das vezes, um “modus operandi”, e deixando a sua “assinatura”. Este tipo de criminoso já foi abordado diversas vezes no cinema, na literatura, e os casos que acontecem na vida real chocam e assustam muitas pessoas.

Curiosamente, mesmo possuindo 5% a menos do número da população mundial, os Estados Unidos já produziu 84% de todos os casos conhecidos de serial killers, desde 1980. Muitos dos que foram capturados aparentemente mostravam-se como cidadãos respeitáveis, bem sucedidos, membros ativos da comunidade, e assim, fora de qualquer tipo de suspeita preliminar.

O Instituto Nacional de Justiça criou em 1988 a melhor definição para o termo assassinato em série:

"Uma série de dois ou mais assassinatos cometidos como eventos separados, normalmente, mas nem sempre, por um infrator atuando isolado. Os crimes podem ocorrer durante um período de tempo que varia desde horas até anos. Quase sempre o motivo é psicológico, e o comportamento do infrator e a evidência física observada nas cenas dos crimes refletiram nuances sádicas e sexuais".

A lista a seguir é composta por dez dos assassinos mais terríveis que foram acusados e sentenciados por seus crimes. Eles estão nesta lista seja pela natureza de seu crime hediondo, ou pelo grande número de assassinatos. Confira:
10 – Ted Bundy (1946 - 1989)
O décimo colocado da lista, é nada mais nada menos que um dos assassinos em série mais famosos da história dos Estados Unidos. Bundy estuprou e assassinou dezenas de jovens nos Estados Unidos entre os anos de 1974 a 1978. Depois de mais de uma década negando os assassinatos, Bundy confessou ser responsável por 30 crimes, embora o número real de vítimas seja desconhecido.

Ele se aproximava de uma vítima em potencial em qualquer que fosse o local. Mesmo à luz do dia e em um lugar público, isso não o impedia de agir. Bundy tinha várias maneira de ganhar a confiança da vítima. Às vezes ele fingia estar machucado, usando uma tipoia no braço, ou se disfarçava de autoridade, como um policial ou um bombeiro.

Já no corredor da morte, Bundy admitiu ter decapitado pelo menos uma dúzia de suas vítimas com uma serra. Ele guardava as cabeças decepadas no quarto de seu apartamento. Bundy também confessou ter escondido os corpos, e que sempre os visitava, maquiava-os e fazia sexo com os corpos em putrefação.

Embora tivesse cinco advogados a disposição para a sua defesa, ele insistiu em atuar como seu próprio advogado, interrogando as testemunhas, incluindo o policial que tinha descoberto o corpo de uma das vítimas.

O juiz, ao passar a sentença disse: “É ordenado que você seja morto por uma corrente de eletricidade. A corrente vai passar por seu corpo até que você esteja morto. Cuide-se, meu jovem. Eu digo isso a você, sinceramente, cuide-se por favor. É uma tragédia absoluta ver tal desperdício de humanidade como eu experimentei neste tribunal. Você é um jovem inteligente. Daria um bom advogado, e eu teria gostado de ter você atuando na minha frente, mas você foi por outro caminho. Vai com Deus”.

Bundy foi executado na cadeira elétrica em 24 de janeiro de 1989 às 07:06 e suas últimas palavras foram: “Gostaria que dissesse a minha família e amigos que eu os amo”.
9 – Javed Iqbal Mughal (1956 – 2001)
Assassino em série que aterrorizou Punjab, no Paquistão. O homem alegou ter matado 100 rapazes durante o curto período de 18 meses. Ele havia sido preso em junho de 1998 por abusar sexualmente de dois meninos. Saiu sob fiança, e matou os meninos. 

Depois disso, não parou mais. Mughal encantava e atraía a confiança das crianças, em seguida, as drogava, estuprava e estrangulava. Ele cortava os corpos em pedaços e os colocava em um tanque cheio de ácido clorídrico. Depois que todos os restos mortais estavam liquefeitos, ele os despejava usando a rede de esgoto. No entanto, os vizinhos passaram a reclamar do mau cheiro, o que chamou a atenção das autoridades.

Sem demonstrar o menor ressentimento, Iqbal declarou: “Eu sou Javed Iqbal, assassino de 100 crianças. Eu odeio este mundo, e não tenho vergonha da minha ação. Estou pronto para morrer. Eu não tenho arrependimentos. Matei 100 crianças”.

Iqbal foi condenado à morte por enforcamento, embora o juiz tenha declarado que teria gostado de estrangular Iqbal 100 vezes, cortando-o em 100 pedaços e colocando suas partes em ácido. Antes que pudesse ser executado, Iqbal foi encontrado morto estrangulado com seus próprios lençóis na cela da prisão em 7 de outubro de 2001.
8 – John George Haigh (1909 – 1949)
Conhecido como o “Assassino Acid Bath”, foi um serial killer que causou terror na Inglaterra durante a década de 1940. Ele foi condenado pelo assassinato de seis pessoas, embora tenha alegado ser responsável por nove. Ele dissolvia o corpo das vítimas em ácido sulfúrico antes de forjar documentos a fim de vender os seus bens e recolher somas substanciais de dinheiro.

Ele agiu sob a crença equivocada de que a polícia precisava obrigatoriamente de um corpo antes que pudesse ser feita a acusação de um assassinato. No entanto, ele foi condenado por meio de provas forenses e executado em 10 de agosto de 1949.
7 – Dennis Rader
Rader é um serial killer que matou pelo menos 10 pessoas no estado do Kansas, nos Estados Unidos, entre os anos de 1974 a 1991. Ele era conhecido como o assassino BTK, sigla em inglês para Bind, Torture and Kill (amarrar, torturar e matar). Ele também escrevia cartas logo após os assassinatos à polícia e agências de notícias locais, ostentado os crimes e revelando detalhes.

Usando o jargão pessoal para o seus equipamentos de matar, Rader casualmente descrevia suas vítimas como seus “projetos” e em um ponto comparou seus crimes aos animais que eram sujeitos a eutanásia. Rader criou o que ele chamou de um “hit kit”, uma maleta que continha itens que usava para matar as pessoas: armas, fitas, cordas, algemas. 

O homem tinha o costume de amarrar suas vítimas, e estrangulá-las até que perdessem a consciência. Depois, as deixava reviver para depois estrangulá-las novamente. Ele repetia esse padrão diversas vezes, como uma forma de se excitar sexualmente com a visão de suas lutas.

Rader declarou-se culpado e foi condenado à prisão perpétua.
6 – Joachim Kroll (1933 - 1991)
Kroll era um serial killer alemão e também canibal. Conhecido como Ruhr Cannibal, ele foi condenado por oito assassinatos, mas confessou um total de 13.

Em 3 de julho de 1976, Kroll foi preso por raptar e matar uma menina de quatro anos chamada Marion Ketter. A polícia encontrou o corpo da menina todo desmembrado. Algumas partes estavam na geladeira, uma mão estava sendo cozinhada em uma panela com água fervente, e os intestinos foram encontrados dentro de tubos de resíduos.

Kroll alegou que cortava as porções de carne de suas vítimas para cozinhar e comer, porque com isso economizaria em suas contas na mercearia.

Condenado a prisão perpétua, Kroll morreu em 1991 após um ataque cardíaco fulminante
5 – Andrei Chikatilo
Apelidado de “Açougueiro de Rostov” e “O Estripador Vermelho”, ele foi condenado pelo assassinato de 53 mulheres e crianças entre os anos de 1978 a 1990.

Em 1978, ele mudou para a pequena cidade de Chikatilo Shakhty, próximo a Rostov, na Ucrânia, onde cometeu seu primeiro crime documentado. Em 22 de dezembro, ele atraiu uma menina de nove anos de idade para uma antiga casa que ele comprou em segredo. O homem tentou estuprar a menina, mas como ela se debatia muito, ele a esfaqueou até a morte. Ele acabou ejaculando no processo de esfaquear a criança, e desde então só foi capaz de alcançar a excitação sexual e o orgasmo quando esfaqueava até a morte mulheres e crianças.

Na União Soviética, na época, relatos de crimes como estupro infantil e assassinatos em série foram muitas vezes reprimidos pela mídia, que era controlada pelo Estado, já que tais crimes eram considerados como sendo comuns apenas em países capitalistas.

Com isso, Chikatilo teve a total liberdade para fazer muitas e muitas vítimas. Ele finalmente foi preso ao ser flagrado tentando se aproximar de crianças pequenas.

Durante o julgamento, ele foi mantido dentro de uma gaiola no centro da sala do tribunal, que foi construída para a sua própria proteção contra os parentes das vítimas. O julgamento teve uma atmosfera muito perturbadora. Os parentes gritavam ameaças e insultos a Chikatilo, exigindo que as autoridades o libertassem, para que eles mesmos pudessem acabar com a vida do cruel assassino. Ele foi considerado culpado de 52 dos 53 assassinatos e condenado à morte por cada crime.

Chikatilo foi executado por fuzilamento (tiro na parte de trás da cabeça) em 14 de fevereiro de 1994, depois que o presidente russo Boris Yeltsin recusou um último apelo por clemência.
4 – Albert Fish (1870 - ?)
Também conhecido como o Homem Cinza, o Lobisomen de Wysteria ou o Vampiro do Brooklyn, Albert Fish se gabou por ter molestado mais de 100 crianças, sendo suspeito de pelo menos cinco assassinatos. Fish confessou três assassinatos, e facadas em outras duas pessoas.

A mãe de uma das vítimas foi até a prisão para saber mais sobre a morte de seu filho. Segundo Fish, ele chicoteou o garoto até que o sangue escorresse por seu corpo. Depois, cortou as orelhas, nariz e a boca. Furou os olhos da vítima, e assim o garoto morreu agonizando. Em seguida, Fish cortou sua barriga e bebeu de seu sangue. Ao terminar, o homem esquartejou a vítima e guardou as partes dentro de sacos de batata.

Fish também confessou ter comido partes do corpo de Billy, sua vítima.

“Eu fiz um guisado de seus ouvidos, nariz e pedaços de seu rosto e barriga. coloquei as cebolas, cenouras, nabos, aipo, sal e pimenta. Foi muito bom. Comi também tiras de seus glúteos com bacon. Eu coloquei a carne dentro do forno, e após algum tempo assando, derramei cerca de um litro de água sobre a carne com um molho e cebolas. Em intervalos frequentes eu mexia o traseiro com uma colher de pau. Assim, a carne seria mais suculenta. Em cerca de duas horas ficou marrom e bem cozida. Eu nunca havia comido nenhum peru assado tão bom quanto à gordura daquilo que cozinhei”.

Durante o seu julgamento, vários psiquiatras relataram os fetiches sexuais de Fish, incluindo coprofilia, urofilia, pedofilia e masoquismo. Raios-x da pélvis de Fish mostram agulhas que ele mesmo inseria em sua pele para aumentar o prazer sexual. Fish foi condenado e logo executado.
3 – Jeffrey Dahmer (1960 - 1994)
Dahmer é responsável pela morte de pelo menos dezessete homens e garotos entre os anos de 1978 a 1991. Seus crimes foram particularmente macabros, no qual envolvia atos de sodomia forçados, necrofilia, desmembramento e canibalismo.

O homem cometeu o seu primeiro assassinato quando tinha 18 anos. Dahmer foi convidado por Steven Hicks, de 19 anos, a ir até a sua casa, e Jeffrey o matou justificando que “Hicks não queria ele eu fosse embora”.

Em 1988 ele foi preso por acariciar sexualmente um menino de 13 anos de idade. Jeffrey cumpriu 10 meses de uma sentença de um ano, e alegou que precisava de terapia. O homem foi libertado a partir de uma liberdade condicional de cinco anos por bom comportamento. Pouco tempo depois, ele começou uma série de assassinatos que terminaria com a sua prisão apenas em 1991.

Em maio de 1991, um garoto chamado Milwaukee Laos Konerak de 14 anos foi encontrado na rua andando nu. O rapaz era o irmão mais novo do menino que Dahmer havia molestado anteriormente. Dahmer alegou que ele e Milwaukee tiveram uma discussão enquanto bebiam, e que o adolescente era seu amante. O garoto negou tudo. Naquela mesma noite, Dahmer matou e desmembrou o adolescente guardando o crânio dele como lembrança. Até o verão de 1991, Dahmer foi assassinando cerca de uma pessoa por semana.

Em 22 de julho de 1991, ao tentar fazer mais uma vítima, Dahmer atraiu para o seu apartamento um homem chamado Tracy Edwards. O criminoso tentou algemá-lo, mas Edwards conseguiu fugir e chamou a polícia.

Ao chegar ao apartamento de Dahmer, as autoridades se horrorizaram com o que viram. Eles encontraram vários cadáveres armazenados em cubas cheias de ácido, cabeças decepadas foram encontradas dentro de sua geladeira e utensílios para a construção de um altar de velas e crânios humanos foram encontrados dentro de seu armário.

Foi constatado que Dahmer havia praticado necrofilia, canibalismo e possivelmente uma forma de trepanação, a fim de criar os chamados “zumbis”.

O homem foi condenado a 15 prisões perpétuas pelas 15 acusações de assassinato. Durante o julgamento, Dahmer expressou remorso e o desejo de morrer.

Em 28 de novembro de 1994, Jeffrey e outro preso chamado Jesse Anderson foram espancados até a morte pelo companheiro de cela Christopher Scarver, durante um trabalho em grupo no ginásio da prisão. Dahmer morreu de traumatismo craniano grave ainda dentro da ambulância a caminho do hospital.
2 – Richard Trenton Chase (1950 – 1980)
Chase foi um serial killer que matou seis pessoas em um mês, na Califórnia. Conhecido como O Vampiro de Sacramento, ele tinha o costume de tomar o sangue de suas vítimas e comer parte de seus corpos. Richard acreditava que se alimentando de suas vítimas ele estaria imune dos ataques de nazistas, que segundo ele, estariam atrás dele para transformar seu sangue em pó.

Em 29 de dezembro de 1977, o homem matou a sua primeira vítima após um tiroteio. Ambrose Griffin era um engenheiro que tinha 51 anos e era pai de dois filhos. Teresa Wallin foi a segunda vítima de Richard. Grávida de três meses, Teresa havia sido surpreendida pelo criminoso em sua casa. Em 27 de janeiro, Chase cometeu mais quatro assassinatos. O homem invadiu a casa de Evelyn Miroth, que tinha 38 anos, e ali encontrou o vizinho dela, Don Meredith, ambos foram feitos reféns e em seguida mortos a tiros.

Além disso, ao encontrar o filho e o sobrinho de Evelyn, ambos com 6 e 2 anos de idade, Richard os matou cruelmente e cometeu também atos de necrofilia e canibalismo com os cadáveres.

Richard voltou para a sua casa onde bebeu o sangue das crianças e terminou de comer alguns dos órgãos internos dos meninos. Depois disso, ele descartou os corpos em uma igreja nas proximidades. Uma testemunha o viu deixando o local e o denunciou. Ao ser preso, foi condenado pelos seis crimes e sentenciado a morrer na câmara de gás. Enquanto esteve na prisão, os outros presos o temiam por conta da natureza bizarra de seus crimes.

De acordo com os funcionários da prisão, muitas vezes eles tentaram convencer Chase a cometer o suicídio. Em 26 de dezembro de 1980 o criminoso foi encontrado deitado em sua cama, sem pulsação nenhuma. Uma autópsia determinou que ele havia cometido suicídio com uma overdose de antidepressivos dados a ele na prisão sob a prescrição do médico.
1 – Gilles de Rais (1404 - ?)
Este nobre francês da época é considerado o precursor do assassino em série moderno. Antes de cometer crimes, ele liderava o exército de Joana d’Arc como capitão militar, mas acredita-se que ela não o conhecia. Gilles de Rais foi condenado por torturar, estuprar e matar dezenas, se não centenas, de crianças pequenas, a maioria garotos.

De acordo com os que sobreviviam, Rais atraía as crianças, principalmente garotos de cabelos loiros e olhos azuis, para a sua casa e então abusava sexualmente, torturava e os mutilava. O capitão e seus cúmplices decepavam a cabeça de suas vítimas e avaliavam qual criança de fato deveria mesmo ter tido tal punição. O número exato de vítimas não é conhecido, pois a maioria dos corpos era queimado ou enterrado, mas estima-se que deve ter havido cerca de 80 a 200 assassinatos. Alguns especulam que Rais matou mais de 600 crianças. As vítimas tinham idade de 6 a 18 anos e podiam ser de ambos os sexos. Embora o capitão preferisse meninos, ele também se contentava com meninas dependendo da situação.

De acordo com os documentos que transcreveram o julgamento de Gilles, o capitão além de cruel assassino demonstrou possuir uma mentalidade doentia. Uma das testemunhas, e também cúmplice de Gilles, relatou que o capitão costumava se deliciar ao ver suas vítimas agonizando. Ele mandava seus servos cortarem a veia jugular das crianças para que pudesse assistir ao sangue sendo esguichado sobre ele, pois Gilles adorava se banhar no sangue de suas vítimas.

Quando as crianças finalmente morriam, o capitão era acometido por uma intensa tristeza. Chorando, ele orava sobre uma cama e recitava orações fervorosas pela alma das crianças. Enquanto isso, seus servos eram instruídos para lavar o chão e queimar os corpos na lareira da casa.

AUTOR: JORNAL CIÊNCIA

Nenhum comentário:

Postar um comentário

IMPORTANTE

Todos os comentários postados neste Blog passam por moderação. Por este critério, os comentários podem ser liberados, bloqueados ou excluídos. O MUNDO REAL 21 descartará automaticamente os textos recebidos que contenham ataques pessoais, difamação, calúnia, ameaça, discriminação e demais crimes previstos em lei. GUGU

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

ME SIGA NO TWITTER!