VISITAS!

CURTA O MUNDO REAL 21 NO FACEBOOK

MUNDO REAL 21 - ÚLTIMAS NOTÍCIAS

AQUI VOCÊ ENCONTRA SEMPRE AS MELHORES OFERTAS!

AQUI VOCÊ ENCONTRA SEMPRE AS MELHORES OFERTAS!
NO ARMAZÉM PARAÍBA DE TIANGUÁ!

O SEU MELHOR PROVEDOR DE INTERNET

O SEU MELHOR PROVEDOR DE INTERNET
REDENET TIANGUÁ - (88)3671-1144/9-9739-8777/9-9428-2616

sexta-feira, 24 de julho de 2015

DESCOBERTA DE COBRA DE 4 PATAS, QUE VIVEU NO CEARÁ HÁ 120 MILHÕES DE ANOS,ABRE DISCUSSÃO SOBRE TRÁFICO DE FÓSSEIS

Ilustração artística da cobra de quatro patas, a partir do fóssil encontrado na Chapada do Araripe

A revista científica americana Science trouxe, nesta quinta-feira, 23, a descrição inédita do primeiro fóssil conhecido de umaserpente de quatro patas, que viveria na Chapada do Araripe, interior do Ceará, há cerca de 120 milhões de anos. 

A descoberta é esclarecedora, pois sugere que as cobras surgiram de lagartos terrestres da Gondwanna, remanescente do supercontinente Pangea. A saída desconhecida do Tetrapodophis ("serpente de quatro patas", como foi batizado), no entanto, pode ter relação direta com otráfico ilegal de fósseis brasileiros, que por lei, são considerados bens da União.

Os líderes da pesquisa são: o britânico David Martill, o americano Nicholas Longrich e o alemão Helmut Tischlinger, que dizem que o fóssil foi repassado para um museu na Alemanha após décadas em posse de um colecionador. "Quando eu vejo uma publicação dessas, eu tenho vontade de chorar. Desde os anos 60, foram centenas de fósseis que saíram do Brasil de forma ilegal. Esse material poderia estar sendo estudado aqui no Cariri, fomentando a nossa pesquisa", avaliou ao O POVO Online o paleontólogo e professor da Universidade Regional do Cariri (Urca), Álamo Feitosa Saraiva.

"Pessoalmente, eu não me importo em nada sobre como o fóssil veio do Brasil ou quando", disse Martill à Science, lembrando ainda que buscou permissão para trabalhar com fósseis no País e tentou ser recebido pela embaixada brasileira em Londres. Ele e Longrich concordaram com a devolução da Tetrapodophis, mas dizem que a autorização dependeria do museu Solnhofen, para quem está emprestado.

Para o professor da Urca, que também é coordenador científico do Geopark Araripe, os fósseis em museus estrangeiros são um negócio muito rentável. "Ora, quanto mais rara a peça, mais dinheiro eles vão captar com ela. É uma pena, pois esse desenvolvimento poderia estar aqui, lugar de origem dessa raridade", frisou Álamo.

Em junho, os pesquisadores do Geopark e da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) descobriram o fóssil da ave mais antiga do Brasil, também na Chapada do Araripe. As serpentes de quatro patas, descritas pelos estrangeiros, são um divisor de águas para a pesquisa científica, ainda conforme o paleontólogo da Urca. "Não é só mais um fóssil, é a mais importante peça encontrada aqui até hoje. Muda toda a filogenia evolutiva das cobras. Era comprovado que os lagartos evoluiram para lagartos com corpo de serpente e patas, para depois serem serpentes. Esse é o 4° estágio, que antes não tinhamos comprovação".

A evolução a partir de animais terrestres, e não de criaturas marinhas, é sustentada pelo tamanho reduzido dos membros da criatura, com uma forma cilíndrica, no lugar de uma cauda achatada. Os dentes são pontudos e ligeiramente curvados, e o fóssil possui algumas escalas que se estendem por toda a largura da barriga, uma característica conhecida apenas em cobras.
Dave Martill/University of Portsmouth
Segundo os pesquisadores, o Tetrapodophis tinha membros delicados, mas funcionais - que podem ter sido utilizados para agarrar a presa

"A estrutura da coluna vertebral é flexível, com mais de 150 vértebras do pescoço e do tronco. O número é maior do que as que existem em lagartos sem patas, sugerindo que não são apenas uma adaptação para rastejar. Essa flexibilidade e vértebras significa que essas serpentes eram capazes de matar por constrição", relatou Longrich. As serpentes caçavam pequenos vertebrados enrolando-se neles até esmagá-los; o fóssil encontrado, por sinal, preservou restos de um pequeno animal em seu intestino.

O Departamento Nacional de Produção Mineral informou que caso a saída do fóssil tenha ocorrido de forma ilegal, ele pode ser requerido ao governo alemão. "Eu acredito que muita coisa daqui ainda vai aparecer em publicações internacionais, da mesma forma que há uma saída ilegal de drogas, por exemplo, existe dos fósseis. Teremos ainda muitas surpresas, ainda vai ter descoberta de mamíferos", completou Álamo.

Patrimônio

O Decreto-Lei 4.146 de 1942 diz que ''os depósitos fossilíferos são propriedade da Nação, e, como tais, a extração de espécimes fósseis depende de autorização prévia e fiscalização do Departamento Nacional da Produção Mineral, do Ministério da Agricultura''. Além disso, o Artigo 2º, parágrafo 1º, da Lei 8.176, afirma que o fóssil não é um bem negociável: "todos os que fazem a retirada de fósseis ou que os adquirem, transportam ou comercializam, incorrem em crime contra a ordem econômica".

A repatriação de fósseis é descrita por Álamo como uma verdadeira "cruzada", pois já foram feitos pedidos ao Japão, Itália e Estados Unidos. "A Urca, junto com a procuradoria de Juazeiro do Norte, busca essa repatriação, mas o problema é que esses países não assinaram o tratado da Unesco para devolução de patrimônio artístico e cultural que sai ilegalmente dos países de origem. Eles se sentem no direito de não devolver".

Serviço
O tráfico de fósseis será discutido no XXIV Congresso Brasileiro de Paleontologia, que ocorre entre os dias 2 a 6 de agosto. Mais informações: http://www.24cbp.com.br/

AUTOR: O POVO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

IMPORTANTE

Todos os comentários postados neste Blog passam por moderação. Por este critério, os comentários podem ser liberados, bloqueados ou excluídos. O MUNDO REAL 21 descartará automaticamente os textos recebidos que contenham ataques pessoais, difamação, calúnia, ameaça, discriminação e demais crimes previstos em lei. GUGU

VEJA TAMBÉM Plugin for WordPress, Blogger...

ME SIGA NO TWITTER!