VISITAS!

CURTA O MUNDO REAL 21 NO FACEBOOK

MUNDO REAL 21 - ÚLTIMAS NOTÍCIAS

AQUI VOCÊ ENCONTRA SEMPRE AS MELHORES OFERTAS!

AQUI VOCÊ ENCONTRA SEMPRE AS MELHORES OFERTAS!
NO ARMAZÉM PARAÍBA DE TIANGUÁ!

O SEU MELHOR PROVEDOR DE INTERNET

O SEU MELHOR PROVEDOR DE INTERNET
REDENET TIANGUÁ - (88)3671-1144/9-9739-8777/9-9428-2616

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

MISTÉRIOS ASSUSTADORES NÃO RESOLVIDOS EM LOCAIS DE DESCANSO

Quando você está fazendo uma viagem muito longa, uma parada de descanso é a oportunidade perfeita para recarregar as baterias. Porém, parar em qualquer lugar para descansar nem sempre é seguro. Aqui estão algumas histórias assustadoras, que envolvem paradas de descanso, muitos dos quais os envolvidos acabaram virando vítimas de um mistério sem solução.
Boa leitura!
OS ASSASSINATOS DE BLIND RIVER
Em 1991, Gord e Jackie McAllister, um casal de idosos de Lindsay, Ontario, decidiu fazer uma viagem com seu motor home, parando para passar a noite em um local de descanso remoto perto da cidade de Blind River. Pouco depois da meia-noite de 28 de junho, o casal foi acordado por uma batida em sua porta, era um homem não identificado dizendo ser da polícia. Quando a porta foi aberta, um homem de cabelos compridos anunciou o assalto, empunhando um rifle calibre 22, exigiu que os McAllisters entregassem seus objetos de valor. Depois de terem cumprido as suas exigências, o agressor abriu fogo. Jackie foi morta instantaneamente, mas Gord, ferido, conseguiu fugir de dentro do motor home.

Gord se escondeu debaixo do motor home, mas antes que o assassino fosse encontrá-lo, um outro carro chegou no mesmo local para descansar. Ele estava sendo conduzido por um homem de 29 anos chamado Bryan Major, que foi imediatamente morto a tiros. Depois, o pistoleiro pulou em uma van e fugiu do local. Gord foi capaz de correr para a estrada e pedir ajuda a um caminhão.

O caso permaneceu congelado até 1999, quando a tecnologia de DNA ligou um ex-policial chamado Ronald Glenn com os assassinatos não resolvidos de duas mulheres de Toronto em 1970. Há alguma suspeita de que West, também pode ter sido responsável pelos assassinatos de Jackie McAllister e Bryan Maior, uma vez que ele morava perto de Blind River, no entanto, os assassinatos permanecem sem solução.
O ASSASSINATO DE JANE SNOW
Em 15 de maio de 1979, uma enfermeira de 31 anos de idade chamada Jane Snow deixou sua casa em Grand Rapids, Michigan, junto de seus dois filhos, com idades entre oito e nove anos. Naquela noite, Jane estava dirigindo sentido norte na Interstate 75, Estados Unidos, quando ela decidiu encostar em uma área de repouso, nos arredores de Gaylord. Jane foi para o banheiro das mulheres, enquanto seus filhos usavam o banheiro dos homens. Como Jane não saia do banheiro feminino, seus filhos decidiram entrar e procurar por ela. Eles ficaram horrorizados ao encontrar o corpo assassinado de sua mãe no chão. Ela tinha sido esfaqueada 23 vezes. Os meninos foram capazes de parar um motorista que estava passando e pediram por socorro, mas em nenhum momento eles viram o assassino de sua mãe.

Na mesma época, um policial estadual estava passando na Interstate 75 e pegou uma carona a menos de 1 km da área de descanso. O policial notou alguns arranhões nas mãos do homem que lhe deu carona, porém ele não sabia que um assassinato tinha ocorrido nas proximidades. Antes de deixar o carro, ele tinha pego o seu nome e endereço. O nome do suspeito era John McGawley, e ele tinha um mandado pendente para entregar uma carga em Rhode Island.

McGawley acabou sendo pego e interrogado sobre o assassinato de Jane Snow. Naquela noite, ele tinha saído de um bar nas proximidades e estava com raiva depois de ter uma briga com sua esposa. Quando McGawley foi localizado pela polícia, ele estava vestindo uma camisa com manchas de sangue, mas testes posteriores determinaram que o sangue não pertencia a Jane. Em última análise, não havia provas suficientes para acusar McGawley pelo assassinato, que continua sem solução, após mais de 35 anos.

OS DESAPARECIMENTOS DE SHAINA E SHAUSHA HENSON
Em 20 de abril de 2001, um casal chamado Curtis e Christina Mayer foram encontrados mortos em Collier County, Florida, Curtis tinha atirado na cabeça de Christina antes de virar a arma contra si mesmo. A história se complicou quando uma certidão de nascimento rasgada pertencente a uma mulher chamada Kimyala Henson foi encontrada na lata de lixo no local do assassinato. Carteira e cartões de crédito de Kimyala estavam também no interior do veículo dos Mayers. Oito dias depois, o, corpo em decomposição parcialmente enterrado de Kimyala Henson foi encontrado nos arredores de Reno, Nevada. Kimyala tinha duas filhas, Shaina e Shausha de dois anos e outra de quatro meses de idade, mas as crianças não foram encontradas.

Kimyala veio de Portland e estava planejando levar suas filhas para a Colúmbia Britânica. Kimyala era amiga de Christina Mayer, Christina e Curtis iriam acompanhar os Hensons em sua viagem. Em 4 de abril, todos eles viajaram para Sacramento. A última vez que Kimyala e suas filhas foram vistas vivas foi quando eles estavam em um hotel de Redding na noite seguinte.

No entanto, descobriu-se que “Curtis Mayer” era na verdade um fugitivo chamado Frank Oehring, que era procurado em Missouri por tentar assassinar sua ex-mulher. Tem sido teorizado que o casal usou Kimyala para roubar sua certidão de nascimento e usar como documentação para cruzar a fronteira. Eles assassinaram Kimyala para que Christina roubasse sua identidade. Em 9 de abril, Christina usou certidão de nascimento de Kimyala em Las Vegas para obter um cartão de identificação fraudulento sob o nome de Kimyala. A coisa toda terminou com assassinato-suicídio de Frank Oehring, mas ninguém sabe o que realmente aconteceu e nem onde foram parar as crianças.

O TRONCO DE WRIGHT CITY

Em 28 de junho de 2004, uma equipe de manutenção estava realizando alguns reparos em uma área de descanso perto da Interstate 70 em Wright City, Missouri. Eles ficaram chocados ao encontrar um tronco humano feminino próximo a uma pequena encosta. O tronco foi encontrado em uma área remota perto de uma entrada que normalmente é fechada por um portão. No entanto, a porta estava aberta na noite anterior, de modo que o autor provavelmente usou essa entrada para ir para a área de descanso e deixar o torso. Estima-se que a vítima tinha de 20 – 45 anos de idade. A cabeça, braços e pernas foram removidas, e ela usava um sutiã que parecia ser grande demais para ela. Extremidades faltantes da mulher não identificada nunca foram recuperadas.

Não poderia mesmo ser estabelecida uma causa exata da morte da vítima. É provável que ela foi morta em outro local aproximadamente 12 horas antes de ser encontrada. O torso parecia ter cicatrizes separadas. Havia também algumas estrias, o que parecia indicar que a mulher estava grávida em algum tempo. Ela parecia estar em muito boa forma, com pouca gordura corporal, mas também tinha uma infecção nos rins perceptível e algumas cicatrizes em seus ovários. Apesar destes indícios intrigantes, os investigadores nunca foram capazes de determinar a identidade da vítima ou a pessoa que deixou o corpo dela na área de descanso.

O ASSASSINATO DE DEXTER STEFONEK

No outono de 1985, um viúvo de 67 anos de idade chamado Dexter Stefonek deixou sua casa em Wisconsin e viajou para Corbett, Oregon, para uma estadia prolongada com a família de seu filho. Em 18 de novembro, Dexter decidiu que queria voltar para casa e deixou a residência de seu filho para a longa viagem de volta para Wisconsin. Na manhã seguinte, o veículo abandonado de Dexter foi encontrado na área de repouso, porém só foi localizado a aproximadamente 34 km longe de Glendive, Montana. O carro tinha sido encharcado com gasolina e incendiado, mas não havia nenhum sinal de Dexter em qualquer lugar. Quatro meses depois, o corpo de Dexter foi encontrado em uma área remota de dumping a aproximadamente 27 km de distância. Ele havia sido espancado e baleado duas vezes na parte de trás da cabeça.

Os investigadores determinaram que Dexter provavelmente parou na área de descanso, quando ele cruzou com seu assassino. O carro em chamas de Dexter foi encontrado 2 horas antes de seu corpo. O único veículo no estacionamento era uma caminhonete Chevrolet, mas não havia ninguém por perto. Pouco tempo depois, o guarda do local notou que o carro de Dexter estava sendo conduzido para dentro do parque. Ele foi conduzido por um homem não identificado, que saiu carregando duas latas de gasolina. Este homem provavelmente incendiou o veículo de Dexter antes de ir embora na caminhonete.

Outro aspecto intrigante do caso é o fato de que a mala de Dexter foi encontrada no aterro ao lado de seu corpo. O dinheiro ainda estava dentro da mala, mas a roupa de Dexter estava espalhada por toda parte, e a condição da roupa parecia indicar que já estava lá meses antes do assassinato. Até hoje, ninguém sabe a identidade do misterioso homem que assassinou Dexter Stefonek ou qual o motivo poderia ter sido.

AUTOR: MINILUA

Nenhum comentário:

Postar um comentário

IMPORTANTE

Todos os comentários postados neste Blog passam por moderação. Por este critério, os comentários podem ser liberados, bloqueados ou excluídos. O MUNDO REAL 21 descartará automaticamente os textos recebidos que contenham ataques pessoais, difamação, calúnia, ameaça, discriminação e demais crimes previstos em lei. GUGU

VEJA TAMBÉM Plugin for WordPress, Blogger...

ME SIGA NO TWITTER!