VISITAS!

CURTA O MUNDO REAL 21 NO FACEBOOK

MUNDO REAL 21 - ÚLTIMAS NOTÍCIAS

AQUI VOCÊ ENCONTRA SEMPRE AS MELHORES OFERTAS!

AQUI VOCÊ ENCONTRA SEMPRE AS MELHORES OFERTAS!
NO ARMAZÉM PARAÍBA DE TIANGUÁ!

O SEU MELHOR PROVEDOR DE INTERNET

O SEU MELHOR PROVEDOR DE INTERNET
REDENET TIANGUÁ - (88)3671-1144/9-9739-8777/9-9428-2616

domingo, 5 de março de 2017

9 MORTES ACIDENTAIS CAUSADAS POR BRINCADEIRAS BOBAS

Tudo é divertido até o momento em que alguém se machuca. Às vezes, as pessoas acreditam que uma brincadeira boba e inocente não é capaz de machucar ninguém. Infelizmente, o que pode nunca ter passado pela cabeça delas é que brincadeiras que parecem ser super legais podem, na verdade, ser cruéis e contraproducentes, chegando a consequências fatais.

Preciso lembrar que não tenho o intuito de criticar, julgar, muito menos impor verdades absolutas. Meu objetivo é único e exclusivo de informar e entreter. Por isso, o conteúdo dessa matéria se destina a aqueles que se interessarem e/ou identificarem.

Não é motivo de riso quando uma pessoa é morta em consequência de uma brincadeira, principalmente uma brincadeira “inocente”, mas acontece com mais frequência do que você imagina. 

Pensando nisso, selecionei essa lista com 9 mortes acidentais causadas por brincadeiras bobas. Confira:

1 – Dia das bruxas
Pegadinhas de halloween podem ser uma parte comum das festividades do feriado, mas para uma adolescente, em 2012, a brincadeira não foi tão engraçada quando perdeu a vida. Adrian Broadway, uma menina de 15 anos, de Little Rock (Arkansas – EUA), estava com seus amigos, jogando papel higiênico, ovos e maionese em um carro, em retaliação por uma pegadinha que alguém tinha feito com um componente de seu grupo. 

Infelizmente, um homem de 48 anos saiu da casa onde o carro estava estacionado e atirou contra o carro em que estava a menina, matando Adrian e ferindo uma de suas amigas. O atirador, Willie Noble, mais tarde foi condenado a 30 anos de prisão pela morte de Broadway.

2 – Susto fatal
O que parecia um inocente susto acabou matando uma menina de 18 anos, em 2013. Premila Lal se escondeu em um armário de sua casa, sabendo que um amigo da família estava lá, protegendo a propriedade. Ela planejava “pular” do armário para pregar uma peça nele. Nerrek Galley, de 21 anos, que estava jogando vídeo-game com seu irmão, de 15 anos. 

Quando ouviu ruídos, Galley pegou sua arma e foi investigar o que estava acontecendo. Acreditando que a menina era uma intrusa, na hora do susto, Galley atirou na garota quando ele abriu a porta do armário. Lal morreu pouco tempo depois em um hospital próximo à sua casa. Nenhuma acusação contra Galley foi feita.

3 – Fantasia de “pé-grande”
Houve uma série de trotes cometidos em nome do “Pé-Grande”, mas a decisão de um homem de se vestir como esse personagem folclórico para assustar algumas pessoas acabou lhe custando a vida. 

Randy Lee Tenley, de 44 anos, personificou a criatura, em 2012, vestindo-se com roupas camufladas, num estilo militar, na beira da estrada 93, de Kalispell (Montana – EUA), para assustar viajantes na estrada, para que pensassem ter visto o animal. Ao invés disso, ele foi atropelado por dois motoristas adolescentes e morreu por conta dos ferimentos.

4 – Sinal de Pare
Um sinal de trânsito em Circleville (Ohio – EUA) tornou o local na cena de um acidente horrível em 2011, depois de dois adolescentes locais terem decidido passar vaselina e plástico ao redor da placa, a deixando invisível para os motoristas. O par Seth Stonerock, de 19 anos, e Derek Greenlee, de 18 anos, aparentemente pensou que sua brincadeira tinha sido muito divertida e se gabavam disso nas redes sociais. 

Infelizmente, duas mulheres idosas, Mary Spangler (85) e Jeanne Shea (81), morreram depois de não ver a placa e passar sem parar, sendo atingidas por outro veículo. Stonerock foi condenado a 4 anos de prisão por ser o principal culpado, enquanto os custos ficaram a cargo de Greenlee, que alegou ter tentado conversar com seu amigo para não o fizesse.

5 – Toque, corra e morra
Apertar a campainha e sair correndo era uma das fontes de diversão mais comuns entre os jovens. Mas, quando Mark Drewes, de 16 anos, fez a brincadeira, tocando a campainha de uma casa em Boca Raton (Flórida – EUA), em 2003, provou que essa pode ser uma brincadeira mortal. 

Drewes foi morto a tiros enquanto se afastava da casa de Jay Levin, que alegou acreditar que Drewes era um intruso armado. Levin se declarou culpado de homicídio culposo e foi condenado a 52 finais de semanas na cadeia e a pagar 750 mil dólares de indenização ao pai do menino.

6 – O “cuecão” fatal
O famoso “cuecão” é uma brincadeira comum da infância dos “arruaceiros”. Mas, em 2013, uma dessas se tornou mortal. Durante uma discussão, Brad Lee Davis, de 33 anos, puxou a cueca de seu padrasto, Denver St. Clair’s, de 58 anos, até a altura da cabeça. 

O elástico enrolou em seu pescoço e o asfixiou. Devis alegou que o ato foi em legítima defesa e que St. Clair estava, supostamente, insultando a mãe de Davis. Ele foi condenado a 30 anos de prisão por homicídio em primeiro grau, pela morte de St. Clair.

7 – Brincadeiras com a polícia
Outra fatalidade relacionada a roupas íntimas, um grupo de adolescentes pensou que seria engraçado jogar suas cuecas molhadas em um carro de polícia, depois de um mergulho noturno. No entanto, uma vez que o oficial encontrou os adolescentes, naquela mesma noite, sua retaliação foi fatal. 

O soldado BD Gillespie, de Virgínia Ocidental (EUA) se preparou para dar o troco nos engraçadinhos e, depois de se envolver em uma escaramuça com o grupo de adolescentes, atacou Timothy Hill, de 18 anos, com spray de pimenta, seu bastão e, por último, dois tiros.

8 – Morte em serviço
Em 2005, cinco estudantes do ensino médio em St. Charles (Illinois – EUA), levaram sua brincadeira fora de hora um pouco longe demais. Eles invadiram a escola, roubaram um carrinho de golfe com a intenção de dirigir para um lago no campus – como outros haviam feito antes. 

O grupo foi pego em flagrante e, durante a perseguição, o sargente Daniel Paul Figgins, de 53 anos, sofreu um ataque cardíaco. Mais tarde, foi declarado morto em um hospital local.

9 – Suicídio por vergonha
Em 2012, Kate Middleton estava grávida pela primeira vez. Por complicações ela precisou ser levada ao hospital e foi internada no King Edward VII Hospital, em Londres (Inglaterra). Os apresentadores de um programa de rádio, Mel Greig e Mike Christian, decididos a obter informações sobre o estado de saúde da duquesa, ligaram para o hospital, fingindo ser membros da família real. 

A enfermeira Jacintha Saldanha, acreditou na ligação e lhes passou informações confidenciais. Poucos dias depois, depois de descobrir que havia sido enganada, Saldanha se sentiu tão humilhada que tirou a própria vida, se enforcando na enfermaria do hospital.

Então pessoal, o que acharam dessas brincadeiras? Bem de mau gosto, ou não? Será que vale a pena pensar duas vezes antes de fazer uma pegadinha com um amigo, ou aquele vizinho chato? Encontraram algum erro na matéria? Ficaram com dúvidas? Possuem sugestões? Não se esqueçam de comentar!

AUTOR: grunge
IMAGENS: thesun, huffpost, brandnet, ibxk, mnbtg, patrickjolle, trbimg, Daniel P. Figgins Memorial Foundation, express, webtudo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

IMPORTANTE

Todos os comentários postados neste Blog passam por moderação. Por este critério, os comentários podem ser liberados, bloqueados ou excluídos. O MUNDO REAL 21 descartará automaticamente os textos recebidos que contenham ataques pessoais, difamação, calúnia, ameaça, discriminação e demais crimes previstos em lei. GUGU

VEJA TAMBÉM Plugin for WordPress, Blogger...

ME SIGA NO TWITTER!