VISITAS!

CURTA O MUNDO REAL 21 NO FACEBOOK

MUNDO REAL 21 - ÚLTIMAS NOTÍCIAS

AQUI VOCÊ ENCONTRA SEMPRE AS MELHORES OFERTAS!

AQUI VOCÊ ENCONTRA SEMPRE AS MELHORES OFERTAS!
NO ARMAZÉM PARAÍBA DE TIANGUÁ!

O SEU MELHOR PROVEDOR DE INTERNET

O SEU MELHOR PROVEDOR DE INTERNET
REDENET TIANGUÁ - (88)3671-1144/9-9739-8777/9-9428-2616

sábado, 1 de julho de 2017

SAIBA DE 9 REGISTROS HISTÓRICOS QUE CONTA UM OUTRO LADO DA BÍBLIA

Além de um livro religioso extremamente popular, a bíblia é também um importante documento histórico de nosso mundo. Os personagens que aparecem ali viveram num mundo real compartilhado com outros povos e nações da época, ainda que o livro conte a maior parte das histórias a partir do ponto de vista de Israel.

Quando observamos outros registros históricos de períodos do Antigo e Novo Testamento feitos por outros povos, podemos ter visões bem distintas dos episódios e opiniões narrados na bíblia. No fim das contas, é importante considerar todos os textos para tentar ter uma compreensão melhor da época.

Vamos conferir alguns desses registros que mostram lados bem diferentes de personagens e situações da bíblia.


1 – O historiador grego Estrabão disse que Moisés era um sacerdote egípcio

Uma das histórias mais conhecidas da bíblia, mesmo para quem não é religioso, é a de Moisés, que teria libertado os judeus dos egípcios. Segundo o historiador grego Estrabão, no entanto, Moisés era um sacerdote do Egito, e não judeu. O religioso não gostava das instituições egípcias, acreditava na presença de deus em todas as coisas e teria conseguido convencer um grande número de pessoas a escapar, migrando para Jerusalém.

De acordo com Estrabão, depois da morte de Moisés, Jerusalém foi tomada por pessoas supersticiosas e violentas que criaram leis que ele chamou de tirânicas, como a dieta kosher e a circuncisão.

2 – O marido de Ester é o rei persa que lutou contra Leônidas e os 300 de Esparta

Segundo a bíblia, Ester casou-se com o rei da Pérsia e convenceu seu marido a salvar os judeus quando Haman planejou um genocídio contra o povo. O rei piedoso, no entanto, era Xerxes I, famoso na cultura popular por ser o vilão do filme 300. Xerxes foi o rei que invadiu Atenas e Esparta depois que as cidades gregas se recusaram a pagar tributos, sendo recebido por 300 guerreiros espartanos.

3 – O rei de Moabe chamou os israelitas de opressores

O rei Mesa de Moabe teria se rebelado contra Israel, provocando a fúria e o ataque do povo – e de Deus – contra sua terra. Para colocar fim à guerra provocada pelos israelitas, o rei teria tirado a vida do próprio filho como sacrifício. Em registros históricos de autoria do próprio rei, no entanto, exista uma versão bem diferente.

De acordo com Mesa, os israelitas era um povo tirano que oprimia Moabe com frequência. O povo de Israel teria provocado a guerra a partir dessa opressão, causando a reação de Mesa e seus homens. Na versão do rei, o povo de Israel não desistiu da guerra diante do sacrifício do rei, mas apenas perdeu a guerra depois da reação dos exércitos de Moabe.

4 – Hazael disse que Israel atacou primeiro

Na bíblia, existe apenas uma pequena menção a Hazael, rei de Arã. O texto diz que o governante conquistou Israel pelo desejo divino, pois Deus estava irado com o povo. Uma pedra encontrada com inscrições feita por Hazael mostra um outro lado da história. Como a pedra está quebrada, existem dúvidas sobre o conteúdo completo.

Segundo a teoria mais popular, a pedra sugere que Hazael só invadiu Israel como vingança por uma invasão prévia que sofrera, causando a morte de seu pai. Em retaliação, ele atacou a terra e matou os reis locais.

5 – Mâneton disse que Moisés invadiu e conquistou o Egito

Assim como os gregos diziam que Moisés era um sacerdote que se rebelou contra o Egito, os próprios egípcios tinham uma versão diferente, de acordo com o historiador Mâneton. O nome verdadeiro de Moisés seria Osarsiph e só teria sido alterado depois que ele se uniu aos judeus.

Quando o faraó Amenophis tentou eliminar a lepra de seu país, colocou 80 mil leprosos para trabalhar numa pedreira e destinou Moisés a cuidar deles. No cargo, Moisés teria criado suas próprias leis e feito alianças com Jerusalém, criando um exército que invadiu e conquistou terras do Egito. Só depois de 13 anos, o faraó conseguiu reorganizar um exército capaz de perseguir Moisés, o que o teria levado a Jerusalém.

6 – O historiador romano Tácito disse que Moisés era ateu

Da mesma forma que Mâneton, Tácito declarou que o faraó do Egito queria expulsar as vítimas de uma praga de sua terra. Na versão romana, no entanto, os expulsos teriam sido enviados para fora das cidades, em ambientes selvagens. De acordo com Tácito, Moisés estava entre as vítimas e odiava Deus, o que fazia com que ele exigisse que seus companheiros não esperassem nenhuma ajuda. Para ele, Deus e os homens já os teriam abandonado.

Assim, Moisés liderou seu grupo até Canãa e conquistou a região. Ali, fundou o judaísmo, não porque acreditava na religião, mas porque precisava de uma ferramento política para garantir a lealdade de seu povo.

7 – O Talmude chamou Jesus de feiticeiro

O Talmude é uma coletânea de livros sagrados dos judeus e conta a história da crucifixão de Jesus de uma forma diferente. No livro judaico, Yeshu – normalmente aceito como o mesmo Jesus dos livros cristãos – fora chamado de feiticeiro antes de ser executado, mas ninguém interveio para impedira morte do profeta.

Um homem chamado Ulla ainda aparece para dizer que Yeshu é indefensável. As pessoas que o defendessem também deveriam ser condenadas, já que ele possuía conexões com a realeza.

8 – Plínio, o Jovem pediu ajuda para conseguir lidar com cristãos

Existe um trecho da bíblia que descreve uma época em que os cristãos eram perseguidos pelos romanos. Na verdade, existe apenas um registro história da visão de Roma a partir de uma carta de Plínio, o Jovem. O imperador pede ajuda para lidar com os cristãos, que ele chamou de “depravados e supersticiosos em excesso.” Plínio ainda revela que dava a oportunidade dos cristãos ofenderem Cristo, renunciando a própria religião. Nesses casos, os condenados seriam salvos e escapariam da execução.

9 – Romanos pensavam que cristãos eram canibais

Os romanos odiavam os cristãos. Além dos relatos de Plínio, há relatos de Tácito criticando a religião mesmo quando condena a crueldade de Nero contra eles, chamando os religiosos de “criminosos que merecem punição extrema e exemplar.”

Quando os romanos ouviam que os cristãos comiam o corpo de Cristo, eles achavam que a mensagem era literal e tratava de canibalismo. Muitos acreditavam que os religiosos participavam de rituais canibais e orgias incestuosas durante suas celebrações. Apesar disso, não existem razões históricas para acreditar que essas crenças eram reais.

Depois de tantos séculos, é difícil saber quais as versões corretas. Talvez a verdade esteja na mistura de tantos relatos, dando crédito para todos os lados. E você, o que acha dessas visões diferentes das histórias bíblicas?

AUTOR: Listverse
IMAGENS: Listverse, Thing Link

Nenhum comentário:

Postar um comentário

IMPORTANTE

Todos os comentários postados neste Blog passam por moderação. Por este critério, os comentários podem ser liberados, bloqueados ou excluídos. O MUNDO REAL 21 descartará automaticamente os textos recebidos que contenham ataques pessoais, difamação, calúnia, ameaça, discriminação e demais crimes previstos em lei. GUGU

VEJA TAMBÉM Plugin for WordPress, Blogger...

ME SIGA NO TWITTER!