VISITAS!

CURTA O MUNDO REAL 21 NO FACEBOOK

MUNDO REAL 21 - ÚLTIMAS NOTÍCIAS

AQUI VOCÊ ENCONTRA SEMPRE AS MELHORES OFERTAS!

AQUI VOCÊ ENCONTRA SEMPRE AS MELHORES OFERTAS!
NO ARMAZÉM PARAÍBA DE TIANGUÁ!

O SEU MELHOR PROVEDOR DE INTERNET

O SEU MELHOR PROVEDOR DE INTERNET
REDENET TIANGUÁ - (88)3671-1144/9-9739-8777/9-9428-2616

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

CRIANÇAS PSICOPATAS

Crianças Psicopatas, “ Não é fácil a sociedade aceitar a maldade infantil, mas ela existe … essas crianças não têm empatia, isto é, não se importam com os sentimentos dos outros e não apresentam sofrimento psíquico pelo que fazem. Manipulam, mentem e podem até matar sem culpa.”

A fala acima, do psiquiatra Fábio Barbirato, chefe da Psiquiatria Infantil da Santa Casa, no Rio de Janeiro, pode parecer assustadora e realmente é. Ela toca em um assunto delicadíssimo: A psicopatia infantil. 

A maioria das pessoas não sabem, mas existem sim crianças psicopatas. Elas não respeitam os pais, chantageam, roubam, mentem, manipulam, maltratam irmãos e amiguinhos, torturam animais e até, MATAM! Isso mesmo. Elas podem matar. E se você duvida, leia uma historinha.

Em 12 de fevereiro de 1993, Denise Bulger entrou com seu filho, James Bulger, de apenas 3 aninhos de idade, no Strand Shopping Center, na cidade de Liverpool, Inglaterra. Denise não sabia, mas ela nunca mais veria o seu filho vivo.

Ela entrou em um açougue dentro do shopping e 5 segundos de descuido foram o suficiente para James Bulger simplesmente desaparecer. Denise entrou em desespero e logo todos os guardas do Shopping estavam a procura do pequenino James. Mas a busca foi em vão.
Dois dias depois do desaparecimento de James, o horror: Seu corpo foi encontrado partido ao meio em uma ferrovia a 4 km de distância do shopping.

O crime chocou a Inglaterra. Não pelo assassinato em si, mas pela forma horrenda com a qual o pequeno James foi morto. O médico patologista Dr. Alan Williams, que trabalhou no caso, disse que James sofreu 10 fraturas no crânio decorrentes de golpes desferidos com uma barra de ferro, arma a qual foi encontrada no local do crime. No total, havia 42 ferimentos no corpo de James, e segundo o patologista, nenhum poderia ser excluído como golpe fatal.

Mas não era só isso. James foi torturado e abusado sexualmente. Havia tinta nos seus olhos e pilhas em sua boca. Ele estava sem roupas e a polícia suspeitava que o agressor ou agressores introduziram as pilhas em seu ânus. Depois da tortura e do abuso sexual, o pequeno James foi espancado até a morte com a barra de ferro e tijolos. Seu pequenino corpo foi colocado em cima da linha do trem e coberto com pedaços de madeira. Quando o corpo foi encontrado estava partido ao meio. O patologista chegou a conclusão que James já estava morto quando seu corpo foi dilacerado por um Trem.

Começava a caçada pelo maníaco assassino de James Bulger. O desfecho do caso deixaria não só a Inglaterra, mas o mundo inteiro estarrecidos.

O caso começou a ficar estranho para os investigadores quando 38 testemunhas disseram terem visto uma criança chorando em companhia de duas outras crianças maiores indo em direção ao local onde James foi encontrado. Para essas 38 testemunhas não havia dúvidas: Era o pequeno James. Essa criança que estava chorando possuia as mesmas características de James e estava vestindo as mesmas roupas com as quais ele foi dado como desaparecido. Algumas testemunhas chegaram a discutir com as outras 2 crianças perguntando o que havia com o menorzinho e elas responderam que ele era o irmão mais novo e que o estavam levando para casa.

Não passava pela cabeça de ninguém que uma ou duas crianças poderiam ter assassinado James, mas as tais duas crianças que foram vistas com ele, para a polícia, eram a chave para elucidar o mistério.

O caso James Bulger ficou mais horripilante ainda quando os investigadores examinaram o circuito interno de TV do shopping. 

Ao examinar as imagens, os investigadores se depararam com algo absolutamente bizarro.
Analisando os vídeos, os investigadores perceberam 2 crianças em atitudes muito estranhas. Elas pareciam observar outras crianças dentro do shopping, como um lobo que fareja a ovelha. 

Isso deixou os investigadores boquiabertos pois, aparentemente, eles estavam vendo os passos de 2 supostos assassinos, mas não eram adultos, e sim crianças. 

As duas crianças ficaram várias horas observando outras crianças até que…
Analisando os vídeos do Circuito Interno de TV do shopping, os investigadores puderam ver o momento em que James é levado para fora do Shopping pelas 2 crianças que a horas observavam outras crianças. Na imagem acima é possível ver que uma delas conduz o pequeno James enquanto a outra caminha mais à frente.

O crime gerou grande comoção e raiva na Inglaterra. Tanto que a família de uma criança, que foi considerada suspeita, teve que mudar de Liverpool depois que a polícia convocou o menino para depor. A pista final veio de uma mulher que viu as imagens do Circuito Interno de TV do Shopping, que passavam insistentemente nas emissoras de TV inglesas, e reconheceu as duas crianças. O resto já é história.
Não se engane com o rostinho de Anjo. Jon Venables, 10 anos, sendo fichado pela polícia inglesa em 20 de Fevereiro de 1993 pelo assassinato de James Bulger
O outro “anjinho” era Robert Thompson, 10 anos.

Um rostinho bonito não é indicativo de como sua MENTE funciona…

Crianças Psicopatas, Sim Elas Existem!

Uma reportagem da Revista Época, de maio de 2010, diz que um dos obstáculos para o tratamento de crianças com sinais de transtorno de conduta é o próprio tabu da maldade infantil. O senso comum afirma que as crianças são inocentes, uma crença que resulta da evolução histórica da família. Até o século XVII as crianças eram consideradas pequenos adultos e muitas nem sequer eram criadas pelos pais. No século XVIII, isso mudou. A família burguesa fechou-se em si mesma, dentro de casa. O lar virou um santuário e a criança o centro dos cuidados e das atenções. Foi o nascimento do sentimento de infância dentro de um grupo que agora tinha como laços o afeto e o prazer da convivência. Se a criança é o eixo do sentimento moderno de família, ela não pode ser má. Eis o tabu.

Um exemplo citado na revista mostra o quanto é difícil para os pais assumirem a necessidade de tratamento dos filhos. “R.”, uma gauchinha de 11 anos colocou fogo na mochila de uma colega de turma. Repreendida por professores e pais, teve como reação apenas rir. No ano anterior, fizera o mesmo com o rabo do cachorro de uma prima. Questionada, disse apenas que a prima não merecia ter um cachorro. Durante o tratamento, R. afirmou ao psiquiatra que não nutria nenhum sentimento especial em relação aos pais.

“Ela tinha um olhar frio e uma ironia extremamente precoce para sua idade. Não sentia culpa. R. me tratava como um empregado”, diz o psiquiatra sob anonimato.

Depois de um ano de tratamento, os pais acharam que ela estava melhor e que poderiam interromper as sessões.

“Ela os manipulou, e disse a mim, explicitamente, que fingiria estar melhor e conteria seus atos. Contei a eles, mas não acreditaram em mim”, afirma. “R.” jamais voltou a seu consultório.

Uma coisa é certa, não estamos mais no século 18, 19 ou 20. Estamos no século 21, e já passou da hora dos pais ficarem atentos aos seus filhos. Uma criança que nasce psicopata não tem culpa de nascer psicopata, aliás, ela não tem culpa de nada. Nesse caso, se quando adulto, ela se tornar uma pessoa insensível, manipuladora ou pior, um assassino ou assassina, podemos dizer que a culpa foram dos pais ? Alguns respondem que SIM, e defendem dizendo que eles foram negligentes o suficiente durante toda a infância do filho ao não interpretar o seu comportamento e ações, e não pode haver desculpas do tipo: “Eu nunca suspeitei … eu não sabia …”. Acreditem, os sinais que um pequeno psicopata apresenta são muito, mas muito visíveis.

Sintomas

A psicopatia pode começar a ser vista em uma criança quando ela possui uma persistente incapacidade de sentir empatia pelos outros, principalmente quando os outros estão feridos ou sentem dores. Isso pode ser o resultado de uma completa falta de sensibilidade. O mau comportamento aliado a crueldade praticadas contra animais e outras crianças também são indícios fortes de que a criança pode sofrer de psicopatia.

Segundo alguns especialistas, é possível identificar traços psicopáticos em crianças a partir dos 3 anos de idade. Outros especialistas, porém, dizem que por não ter uma personalidade ainda formada, nenhuma criança pode ser chamada de psicopata. Para os que afirmam que a psicopatia pode sim ser diagnosticada ainda na infância, o diagnóstico de psicopatia em crianças é bastante complexo, principalmente quando ela vive em um ambiente familiar complicado e violento.

Para Stephen Scott, professor do Instituto de Psiquiatria em Londres e especialista em saúde e comportamento infantil, o diagnóstico de psicopatia pode sim ser feito em crianças e já a partir dos 3 anos de idade. Para o professor, crianças psicopatas compartilham dos mesmos comportamentos de adultos psicopatas, como a combinação de comportamentos anti-sociais com insensibilidade e falta de empatia. No Reino Unido, todo ano cerca de 100 crianças são assistidas no Instituto de Psiquiatria de Londres.

“Pessoas normais entendem os sentimentos de outras pessoas e também se preocupam com elas. Se você pergunta a uma criança o que aconteceu com o pequeno Johnny, que caiu, cortou o seu joelho e gritou, tipicamente, crianças com desenvolvimento mental normal irão entender o que aconteceu e ter empatia. Crianças com transtorno de comportamento anti-social não conseguem entender ou estar na pele de outra pessoa, são insensíveis e simplesmente não se importam. Mas há uma distinção importante a se fazer: Será que a criança simplesmente não importa ou será que ela apenas não entende ? É uma distinção importante a se fazer,” diz o professor.

“Eu tenho crianças na minha clínica que não tem remorso, roubam dos seus pais e sentem prazer em enganá-los. Esse comportamento, se sustentando e generalizado, não nos dá outra alternativa se não um diagnóstico de psicopatia.

Tive um caso de uma menina de 5 anos de idade que pegou seu gatinho de estimação e jogou-o de cabeça pra baixo do segundo andar de sua casa. Ela simplesmente teve prazer em ver o animal caindo no concreto. Crueldade com animais é uma mal sinal. Isso é mais característico em crianças insensíveis e que não possuem empatia.” Diz o professor.

É importante não rotular. Crianças psicopatas mostram uma profunda e extrema raiva pelos outros. Mas essa raiva, por exemplo, é diferente de um comportamento explosivo isolado.

“Não gostamos de rotular crianças como psicopatas. Apenas se o comportamento errante persistir, será possível dizer se a criança tem tendências psicopatas,” diz Scott.

Realmente é importante separar o joio do trigo, veja por exemplo o caso do inglesinho Daniel Blair.


No início de junho de 2009, um fato ocorrido na Inglaterra chamou a atenção de câmeras do mundo inteiro. Daniel Blair, de apenas 4 anos de idade, ganhou um pequeno cachorrinho, um filhote de cocker spaniel. E o animalzinho de apenas 1 semana de vida quase teve um fim trágico pelas maozinhas do seu dono.

O pequeno Daniel achou que o filhotinho precisava de um banho. O que ele fez ? Jogou o pequeno animalzinho na privada e … deu descarga. Muitos perguntaram: será que Daniel seria um pequeno psicopata divertindo-se com o sofrimento do bicho ? Como dito acima pelo professor e também por outros inúmeros casos conhecidos, sabemos que grande parte dos psicopatas que se tornam assassinos e/ou serial killers quando adultos, começam na infância torturando e matando (principalmente) cães e gatos.

Mas a melhor resposta para o caso do pequeno Daniel é: Provavelmente não. Em primeiro lugar, Daniel ainda é muito novo para ter a consciência do que chamamos de certo e errado. Ou seja: provavelmente ele não sabia que estava fazendo mal ao bichinho. E o mais importante, um incidente isolado não pode ser considerado como indício de comportamento psicopata. Mas se esse comportamento persistir, é melhor os pais do pequeno Daniel tomarem uma atitude.

O que os pais podem fazer é: Prestar atenção no comportamento dos filhos. Se esse comportamento (maus tratos à animais) for recorrente e estiver aliado a mentiras frequentes, furtos e agressões, por exemplo, esse comportamento pode ser bem preocupante.

Enquanto ao cachorrinho de Daniel, ele incrivelmente sobreviveu. Veja abaixo um vídeo com o resgate do cachorrinho.

Estudos mostram que os principais indícios de que uma criança pode sofrer de psicopatia são:

Mentem o tempo inteiro, com mentiras cada vez mais elaboradas;
Tentam manipular emocionalmente ou chantageam;
Roubam;
Praticam maldades contra irmãos e amigos. Não arrependem;
Maltratam, torturam e até matam animais;
Não toleram frustração;
Explodem ao serem contrariados;
Culpam os outros por seus erros;
São bastante egocêntricos;
Não tem solidariedade;
Dificuldade em ter amizades verdadeiras;
Arrogância, até com os pais;
Demonstram prazer ao ferir ou humilhar alguém;
Cometem atos de vandalismo;
Origens

Estudos indicam que a maioria das crianças que apresentam quadro de psicopatia não são produtos da má criação ou abusos por parte dos pais.

“Para o grupo (crianças) que possui traços de insensibilidade, existe uma forte vulnerabilidade genética,” diz Essi Viding, Professora da University College London.

A professora coordena estudos com crianças gêmeas que sugere que traços psicopáticos em crianças tem origem genética.

“Isso não significa que essas crianças nascem psicopatas ou estão destinadas a serem psicopatas. Mas da mesma forma que algum de nós somos mais suscetíveis a doenças do coração, estas crianças são pessoas mais vulneráveis a influências ambientais que podem ser um gatilho para a psicopatia,” diz a professora.

Segundo ela, entre um quarto e metade das crianças com problemas de comportamento são psicopatas, o que equivale a quase 1% de todas crianças do Reino Unido.

A pesquisadora criou um simples teste chamado “Teste Kevin” onde ela analisa reações emocionais em crianças. Ela, inclusive, realizou o teste na sua filha que tem apenas 1 ano e meio. Sabendo que fortes emoções são contagiosas em crianças pequenas, a professora fingiu, em frente à sua filha, chorar desesperadamente.

“Fiquei muito aliviada quando minha filha também começou a chorar. Eu não estou dizendo que uma criança é psicopata se ela não chorar diante deste simples teste, mas eu acho que é uma forma bastante crua de ver como o seu filho reage emocionalmente.”

Apesar de vários estudos apontarem a genética como um fator base do diagnóstico de psicopatia em crianças, o papel ambiental não fica de fora. Crescer em um ambiente familiar desestruturado e violento é o principal gatilho para um comportamento errante.

“O desenvolvimento da criança é fundamentalmente social. Crianças precisam se conectar através de relacionamentos,” diz o psiquiatra e professor da Universidade de Chicago James Garbarino, autor do livro “Lost Boys: Why Our Sons Turn Violent and How We Can Save Them (Garotos Perdidos: Por que Nossos Filhos Se Tornam Violentos e Como Podemos Salvá-los).”

Para James Garbarino, a maioria das crianças que matam são incapazes de se conectar. Com isso, a relação amorosa com os pais torna-se uma importante mediação entre a criança e o mundo exterior. Segundo ele, crianças podem se tornar angustiadas, desconfiadas, resistentes e raivosas se não se sentirem seguras em seus primeios 9 meses de vida. Estudos mostram que crianças que se sentem seguras no lar familiar tendem a ser mais competentes na vida adulta, além de se ajustarem mais facilmente à sociedade. Seguindo esta linha do psiquiatra, a psicopatia infantil poderia ser inicializada nessa fase inicial e crucial da vida, principalmente ainda se existir uma predisposição genética.

Casos famosos

Crianças psicopatas e crianças assassinas existem aos montes. Conheça algumas.

Mary Flora Bell

O nome Mary Flora Bell é uma espécie de sinônimo para crueldade infantil. É o caso mais famoso no mundo de criança com Transtorno de Personalidade Anti-Social. Tão famoso que uma Lei com o seu nome foi estabelecida na Inglaterra em 2003.

Nascida em um lar completamente desfigurado, passou por inúmeros abusos e já aos 2 anos de idade mostrava os primeiros sinais de que não era uma criança normal. Ela adorava espancar suas bonequinhas e não chorava quando machucava. Aos 4 anos tentou matar um coleguinha enforcado e aos 5 presencicou sem nenhum tipo de emoção o atropelamento de um outro amiguinho. Depois que aprendeu a ler ficou incontrolável. Pichava paredes, incendiou a casa onde morava e torturava animais.

Em 1968 o horror: Mary Bell, então aos 10 anos de idade, estrangulou até a morte 2 crianças de 3 e 4 anos de idade. Martin George, 4 anos, foi encontrado morto em uma casa em ruínas na cidade de Newcastle, Inglaterra, em 25 de maio de 1968. No dia seguinte ela tentou estrangular uma outra amiguinha mas o pai da menina chegou a tempo de tirar Mary Bell a bofetadas de cima da filha.

Em 30 de Maio, ela bateu na porta da casa dos pais de Martin George e pediu para falar com ele.

“Martin está morto querida!” disse a mãe do menino.

“Eu sei que ele está morto. Só queria vê-lo no caixão!” respondeu Mary Bell.

Dois meses depois Mary Bell estrangulou até a morte Brian Howe, de 3 anos. Além de estrangulá-lo, a pequena Mary Bell ainda fez cortes em suas pernas e furou seu abdômem.

“Ela não demonstrou remorso, ansiedade ou lágrimas. Ela não sentiu emoção nenhuma em saber que seria presa. Nem ao menos deu um motivo para ter matado. É um caso clássico de sociopatia,” disse o psiquiatra Robert Orton em seu laudo psiquiátrico.

Sociopatia e psicopatia são termos equivalentes na psiquiatria. Alguns especialistas defendem que ambos são transtornos diferentes, já outros dizem tratar da mesma coisa. Veja aqui um post a respeito.

Mary Bell ficou presa durante 11 anos em uma Instituição Psiquiátrica. Saiu em 1980 e em 1984 teve uma filha. Ela tem sua nova identidade e endereço mantidos sob sigilo pela “Ordem Mary Bell”, uma Lei criada em 2003 na Inglaterra que protege a identidade de qualquer criança envolvida em procedimentos legais. Em 2009 tornou-se avó.

Sakakibara Seito
Um dos mais sinistros casos envolendo crianças psicopatas assassinas ocorreu no Japão. Em 15 de Março de 1997, Ayaka Yamashita, de 10 anos, foi encontrada morta em um beco na cidade de Kobe. Ela havia sido espancada até a morte com uma barra de ferro. 3 outras garotas foram atacadas na mesma região. Elas descreveram o atacante como um “menino”. 1 mês depois, um estudante de 11 anos chamado Jun Hase desapareceu na frente do portão do colégio. Sua cabeça foi encontrada 3 dias depois pelo zelador. O estudante fora decapitado com uma serra manual e para dar um ar de filme de terror ao assassinato, havia um bilhete dentro da sua boca, escrito com tinta vermelha.
O bilhete encontrado dentro da boca de Jun Hase.

“Isto é o começo do jogo … Policiais detenham-me se puderem … Desejo desesperadamente ver pessoas morrendo. É uma excitação, para mim, assassinar. É necessário um julgamento sangrento para os meus anos de grande amargura.” Dizia o macabro bilhete.

O assassino assinou o bilhete com caracteres (???? ??) que foram traduzidos como “Sakakibara Seito”. Esses mesmos caracteres na língua japonesa possuem os significados de álcool, demônio, rosa, santo e luta. Também pode ser visto no bilhete que o assassino escreveu (erroneamente) em inglês “shool killer”. Certamente ele queria escrever “school killer” (assassino da escola).

Os crimes causaram pânico em Kobe e 1 mês depois o assassino enviou uma carta ao Jornal Kobe Shimbun:
Carta enviada pelo assassino auto denominado “Sakakibara Seito”

Um pedaço da carta dizia:

“Estou pondo minha vida em risco por esse jogo. Se for pego, provavelmente serei enforcado… A polícia deveria ser mais tenaz e furiosa na minha busca… Só quando mato sou liberado do ódio constante que sofro e posso alcançar a paz. Só quando causo sofrimento às pessoas posso amenizar minha própria dor.

Obs.: De agora em diante, se vocês … arruinarem meu humor, matarei três vegetais por semana… Se acham que só posso matar crianças, estão muito enganados.’”

Em 28 de Junho de 1997 o assassino foi preso em sua casa e acreditem, ele tinha apenas 14 anos. Ele mantinha um diário onde registrava com detalhes os seus crimes.

“Realizei experimentos sagrados hoje para confirmar o quanto os seres humanos são frágeis. Eu acertei a menina (Ayaka Yamashita) com a barra de ferro quando ela se virou para mim. Acho que bati nela algumas vezes, mas eu estava muito excitado para lembrar o número de vezes …

Esta manhã, minha mãe me disse: “Pobre menina. A menina atacada parece ter morrido”. Não há nenhum sinal de que serei pego. Eu te agradeço, Bamoidokishin, por isso … Por favor, continue me protegendo.”

Por ser menor de idade seu nome não foi divulgado. Ele ficou conhecido no Japão como “Garoto A”. Passou 6 anos em tratamento em um hospital psiquiátrico e foi libertado em 10 de Março de 2004, aos 21 anos. Hoje, o “Garoto A” é um homem livre com uma nova identidade.

Fontes próximas do caso disseram que o Garoto A costumava ler notas escritas pelas famílias das vítimas e que gostaria de trabalhar para pagar-lhes uma indenização. Aparentemente ele foi curado. Será?

Silje Redergard

Em 15 de Outubro de 1994, Silje Redergard, 5 anos, foi encontrada morta perto de sua casa na cidade de Trondheim, Noruega.

Os pais da criança foram imediatamente levados para a Delegacia. A polícia suspeitava que o crime tinha motivação sexual já que Silje estava nua. Imediatamente policiais suspeitaram que algum membro da família pudesse estar envolvido. Mero engano, o desfecho do caso chocaria toda a Noruega.

“Fomos até a casa de uma das pessoas que tentaram ressucitar Silje, queríamos apenas agradecer. A mulher disse que fez de tudo para tentar salvar Silje. Eu estava sentada com o seu filho no meu colo. Então ela me disse que o filho dela e outro garoto haviam assassinado Silje. Eu olhei para o garoto e disse: O que voce fez ? Ele me olhou e disse: Eu pulei nela e tirei sua roupa porque eu pensei que ela estava dormindo… Eu queria estrangulá-lo. Quando eu percebi que queria matá-lo fui embora.” Disse Redergard Barlaup, mãe de Silje.

Silje fora morta por dois meninos de apenas 6 anos de idade. Os meninos moravam na mesma região. Os 3 brincavam fazendo castelos na neve quando a diversão deu lugar para a fúria. Ninguém sabe por quê. Desentendimento infantil ? Birra ? O fato é que nada justifica o que os 2 meninos fizeram a Silje. Eles espancaram a menina com chutes e socos, além de darem pedradas no seu corpo e cabeça. Antes de irem embora tiraram a sua roupa.

“Nós batemos nela até que ela parasse de chorar,” disse um deles para os policiais.

Os nomes das crianças assassinas nunca foram divulgados. Eles passaram os 8 anos seguintes em tratamento psiquiátrico e lentamente foram reintroduzidos na sociedade. Eles tem hoje 24 anos.

Na Noruega, os serviços de proteção infantil cuidam de crianças problemáticas até elas atingirem 18 anos. Ao completarem 18 anos, elas são consideradas adultos e têm a opção de cortar o relacionamento com o serviço ou manter contato até os 23 anos. Após isso eles podem optar por continuar frequentando serviços de apóio à adultos.

Davi Mota Nogueira
Um anos depois, todos ainda procuram respostas para o que aconteceu na tarde do dia 22 de Setembro de 2011 em São Caetano do Sul, estado de São Paulo, na escola Municipal Alcina Dantas Feijão. Nesse fatídico dia, às 16 horas da tarde, o estudante Davi Mota Nogueira, de apenas 10 anos, pediu para a professora Rosileide Queiros de Oliveira, de 38 anos, para ir ao banheiro. Ela deixou. Ao voltar, o pequeno Davi chegou atirando na professora com um revólver calibre 38 (arma do pai, um guarda-civil). Saiu da sala, colocou a arma na cabeça e puxou o gatilho. A professora sobreviveu aos disparos, mas o pequeno Davi não, ele morreu a caminho do hospital.

Começava ai uma história cheia de mistérios e contradições.

“Ele era a alegria do pai, um menino muito responsável, só tirava notas boas, até cuidava do irmão mais velho,” disse Maurílio Nogueira, o tio do garoto.

“Ela (Rosileide) dizia que o menino fazia brincadeiras violentas com os colegas, respondia de forma malcriada. E falou isso para a direção da escola. Acreditava que não devia estudar ali, mas em uma escola especial,” disse Luís Hayakawo, o namorado da professora atingida com o tiro.

Posteriormente, ao conversar com Rosileide, Luís voltou atrás na declaração.

“Era um menino educado e calmo,” disse uma vizinha de Davi.

Uma coisa é certa, vários colegas de sala de Davi ouviram o menino dizer que mataria a professora. Nenhum deles, porém, acreditou nele. Ou seja, Davi premeditou o crime. Outro fato interessante é que o pai de Davi sentiu falta da arma e foi até o colégio perguntar aos dois filhos (Davi e um irmão mais velho que estudava no mesmo colégio) se algum deles tinham pegado a arma. Diante da negativa dos filhos ele foi embora. Davi mentiu para o pai, algo que segundo o pai, ele nunca havia feito.

O caso Davi é muito complexo, mas deixe-me expressar minha opinião. Eu não sei vocês, mas eu não acho que uma criança que premedita um assassinato, o executa e depois dá um tiro na cabeça possa ser “normal”. Ele era um pequeno psicopata ? Nunca saberemos e é imprudente tentar traçar um perfil psicológico de alguém que não está aqui. Apesar de ilustrar o meu post de crianças psicopatas, não sabemos se Davi realmente era um. Não podemos estigmatizar, mas também não podemos ser negligentes, ele tinha sim algum problema.

Há também um paradigma que deve ser quebrado. O menino era visto pela família como um garoto estudioso, calmo e tranquilo, mas tranquilidade, porém, não significa que ele tinha uma situação emocional estabilizada.

“Quando chega ao limite, a criança pode reagir com choro ou agressividade. Nesta caso específico foi a agressividade,” disse o psicoterapeuta Alessandro Vianna, especialista em comportamento infantil.

Outro indício que poderia levar à conclusão de que Davi sofria de algum transtorno foi um desenho feito por ele e encontrado dentro de sua mochila. O desenho mostrava ele com duas armas desenhadas e um professor. Acima dele havia a frase: ”Eu com 16 anos”

“Não tenho a menor dúvida de que alguma coisa estava acontecendo”, disse Elisabete Pimentel, psicóloga e terapeuta, em entrevista para a Rádio Jovem Pam.

Eu também não!

“O que a gente sabe é que ele não deixou resposta para o homem aqui na Terra. Ele levou com ele e não vai ter especialista ou investigação policial que vai saber o que aconteceu, ninguém”, disse o pai do garoto.

A investigação do caso foi encerrada sem conclusão.

“Ele levou a resposta com ele.” Disse a delegada Lucy Mastellini Fernandes.

“Crianças choram, os pais não vêem!” Foi uma pichação que surgiu no muro do colégio dias após o acontecido.

Fabiola Santos Correia

A adolescente Fabíola Santos Correa (foto), de apenas 12 anos, desapareceu sem deixar rastros no dia 27 de maio de 2012 em São Joaquim de Bicas, região metropolitana de Belo Horizonte. 10 dias depois, o corpo da menina foi encontrado por um lavrador em um matagal da região. O assassinato de Fabíola poderia ser apenas mais um assassinato dentre milhares de outros que ocorrem todos os dias pelo mundo não fosse dois detalhes assustadores.

Primeiro: O coração de Fabíola foi estripado. Ela também teve um dedo do pé esquerdo decepado.

Segundo: Esse terrível assassinato não foi cometido por um adulto, mas sim por duas amigas de infância da vítima, uma de 12 e outra de 13 anos.

Na delegacia um fato mais chocante ainda. Nenhuma das duas meninas mostrou nenhum tipo de remorso e, segundo o delegado, elas riam bastante, como se não tivessem noção do ato que cometeram.

“Elas confessaram e contaram todos os detalhes. Elas atraíram a Fabíola para a mata do Japonês com o pretexto de que iriam assistir a um jogo de futebol dos namorados. No caminho levaram uma faca e uma barra de ferro. Contaram que a Fabíola chegou a perguntar o que elas iriam fazer com essa barra. Depois de golpear várias vezes com a barra de ferro e a faca a jovem, as meninas cortaram um dos dedos do pé esquerdo e arrancaram o coração da Fabíola. Elas levaram para casa, enrolados em folhas de caderno e entregaram para um irmão de 8 anos de uma delas. Para ele contaram que o coração era de porco e o dedo de brinquedo. O menino enterrou, mas no outro dia as meninas foram lá e desenterraram. Depois jogaram no Rio Paraopeba”, disse Solla.

As meninas assassinas foram internadas e os resultados dos exames psiquiátricos não foram divulgados.

Andrew e Mitchell

Andrew Douglas Golden e Mitchell Scott Johnson perpetuaram um dos piores atentados a escolas nos Estados Unidos, quando em 24 de Março de 1998, mataram 4 crianças e 1 professora na Westside Middle School, na cidade de Jonesboro, estado do Arkansas. Detalhe, Andrew tinha apenas 11 anos de idade, enquanto Mitchell 13.

Os 2 perturbados meninos se conheceram no ônibus que os levavam para a escola. Eram conhecidos pelos outros coleguinhas por praticarem bullying nos outros, sempre intimidando colegas de classe. Os garotos também diziam pertencer a uma famosa gangue da cidade de Los Angeles. Talvez o mais perturbado dos dois tenha sido Mitchell. Aos 12 anos ele foi acusado de molestar sexualmente uma criança de 3 anos, também fez ameaças de morte a uma garota que não quis namorar com ele. “Tenho muitas pessoas para matar”, dizia ele aos amiguinhos. Um dos pastores da cidade chegou a dizer que ele “era um candidato a bandido.” Como na maioria desses casos, parece que apenas os pais não enxergavam o perigo no garoto.

Como todo bom psicopata, os dois moleques planejaram meticulosamente o ataque. Na noite anterior ao massacre, Andrew e Mitchell carregaram o porta-malas do carro da mãe de Mitchell com material para acampamento, comida, equipamentos para sobrevivência, duas espingardas semi-automáticas, um fuzil e quatro pistolas, armas as quais eles roubaram da casa do avô de Andrew. A idéia era clara: Matar crianças na escola e fugir para algum lugar, já que eles carregaram o carro com sacos de dormir e comida. Na manhã seguinte, os dois meninos dirigiram até o colégio. Chegando lá, o plano era o seguinte: Enquanto Mitchell carregava e posicionava as armas em uma floresta em frente à escola, Andrew deveria entrar lá dentro e puxar o alarme de incêndio e voltar correndo. Crianças e professores sairiam correndo do colégio e quando eles estivessem do lado de fora, Mitchell e Andrew descarregariam as armas neles. E foi isso o que aconteceu.

Mitchell Johnson saiu da prisão em 2005, quando completou 21 anos. 2 anos depois foi a vez de Andrew Golden completar 21 anos e sair da cadeia.

Em 2007, Mitchell Johnson foi preso carregando uma pistola 9 mm e 21 gramas de maconha. Em 2008 ele foi preso novamente depois de usar um cartão de crédito roubado. Um juiz o condenou a 18 anos de prisão e disse:

“Não importa sua sentença, você ainda terá sua vida, mas aqueles mortos em 1998 não.”

Mitchell Johnson voltou para o lugar onde (aparentemente) nunca devia ter saido.

Já Andrew Golden, o melhor atirador dos dois, foi notícia novamente 1 ano depois de sair da cadeia. Ele tentou comprar uma arma sob o nome de Drew Douglas Grant (ele mudou oficialmente de nome). Através de impressões digitais, a polícia descobriu que Drew era Andrew. Além disso, ele mentiu sobre o endereço de sua residência. Ele recebeu uma advertência das autoridades e o seu paradeiro hoje é desconhecido.

Jordan Brown

“Não sei o que aconteceu naquela casa, mas eu sei que o meu filho não fez aquilo. Jordan era uma típica criança de 11 anos, muito alegre e carinhoso.”

Essa frase é emblemática e mostra o quanto casos envolvendo crianças assassinas é complexo. Poderiam os pais, serem responsáveis pelos atos dos seus filhos ?

Já vimos que crianças psicopatas tem comportamentos diferentes do de crianças normais. Seria de se esperar que os pais enxergassem isso e ajudassem os seus filhos. Mas isso não acontece na realidade. Muitos pais só conseguem realmente enxergar o que o seu filho é, quando uma coisa de muito ruim acontece. Mas as vezes, nem assim eles aceitam. E é esse o caso de Christian Brown, pai de Jordan Brown.

Para Christian Brown, seu filho era uma criança normal, alegre, carinhoso. Mas foi essa mesma criança “normal”, alegre e carinhosa que encostou uma espingarda calibre 20 na cabeça da sua madrasta grávida de 8 meses e puxou o gatilho. Kenzie Houk, de 26 anos, e o seu filho que ainda se desenvolvia em sua barriga morreram na hora. O que Jordan fez após matar a madrasta e o seu futuro irmão ? Guardou a arma, pegou sua mochila e foi para a escola como se nada tivesse acontecido. Ainda chegou a mentir para a polícia dizendo que havia visto uma camionete preta rondando o local.

“O crime foi um assassinato em estilo de execução de uma jovem e indefesa mãe grávida,” disse um dos investigadores do caso.

O caso teve repercussão no mundo inteiro por um simples fato: Aos 11 anos, Jordan poderia ser a pessoa mais nova da história dos Estados Unidos a ser condenada a prisão perpétua. Isso porque ele seria julgado como adulto.

Veja abaixo uma reportagem do Fantástico sobre o caso.

A pressão da opinião pública, assim como de ONGS internacionais deram resultado e o garoto, ao invés de ser julgado como adulto, foi julgado como um delinquente juvenil. Em abril desse ano ele foi julgado e considerado culpado. Jordan Brown ficará preso até os 21 anos. Ele poderá sair da prisão em 2020.

Muito discutiu-se sobre a idade do assassino e a sua incompleta formação psicológica que o impossibilitaria de fazer um dicernimento do certo ou do errado e de fazer um julgamento completo sobre a situação. O que todo mundo esqueceu é que um ser humano que daria à luz a outro ser humano morreu pelas mãos de um garoto que sabia sim o que estava fazendo e que a executou por causa de um desequilíbrio emocional. A polícia acredita que Jordan matou a madrasta porque estava com ciúmes do filho que ela estava esperando. É um bom modo de acabar com a concorrência não ? Imagine se toda criança resolvesse matar pessoas ao se sentirem rejeitadas, acuadas ou mau amadas ?

Meio mundo defendeu Jordan Brown. Parece que ninguém enxergou a horrorosa maldade que esse garoto fez. A discussão deveria ser em torno das origens maléficas presentes no garoto que o fez cometer um ato tão horrendo.

Não posso julgar um pai que defende o seu filho. Um pai sempre defenderá o seu filho, mesmo que ele cometa atos tão horríveis como esse. Mas também, não podemos ser cegos.

Cristian Fernandez
O caso Cristian Fernandez é, atualmente, o centro das atenções nos Estados Unidos. Tudo porque o pequeno rapaz está sendo julgado como adulto (again!) e pode pegar prisão perpétua por ter assassinado seu meio-irmão de 2 anos e estuprado um outro meio-irmão de 5 anos de idade. Os crimes ocorreram em 2011 e atualmente ele está sendo julgado na Flórida.

Para nós aqui, dentro do contexto do post, não nos interessa se ele deve ou não ser julgado como adulto, mas sim o que levou Cristian a cometer tais atos. Nos anos de 1990, cientistas como o norte-americano Jim Fallon e o canadense Bob Hare descobriram que o cérebro de psicopatas assassinos são diferentes do de pessoas normais, isso abriu espaço para descobertas ainda mais fantásticas como a descoberta do gene MAO-A ou “gene guerreiro”. O MAO-A seria uma mutação presente apenas nos psicopatas e, supostamente, os deixariam pessoas agressivas. Mas nascer com uma pré-disposição genética para matar não era suficiente, haveria mais algum fator que levassem psicopatas a matar ? Sim! O ambiente familiar. Pronto! Genética + uma infância em um lar desestruturado era a receita para produzir um psicopata assassino no futuro.

Apesar de não ser uma verdade absoluta, esse parece ser o caso de Cristian. Seu cérebro não foi escaneado para saber se ele tem as lesões características de um psicopata, mas algumas características do seu comportamento nos levam a crer que sim. Aos 6 anos ele começou a torturar e matar pequenos animais, simulava atos sexuais com outras crianças e chegou a masturbar na frente de amiguinhos na escola. Certamente seu distúrbio de comportamento foi afetado ainda mais com seu ambiente familiar. Para começar, ele nasceu de um estupro. Sua mãe tinha apenas 12 anos quando foi estuprada. Cresceu sendo espancado pelo padrasto que se suicidou em 2010. Em 2007 foi supostamente estuprado por um primo. Além disso, cresceu vendo a mãe e os avós consumindo todo tipo de drogas.

Cristian é um pequeno psicopata que teve o seu gatilho para o assassinato disparado ao crescer em um ambiente desprovido de valores e amor.

Carroll Edward Cole
Em uma tarde do verão de 1946 na cidade de Sioux City, estado de Iowa, Estados Unidos, um grupo de crianças sairam para nadar nas águas do Porto de Richmonds. Carroll Edward Cole, de 8 anos, era uma dessas crianças. Como centenas de milhares de crianças que nascem mundo afora, Carroll tinha uma infância difícil, era espancado por sua mãe e obrigado a vê-la fazer sexo com vários homens. Para piorar a situação, ele sofria bullying dos amiguinhos pelo nome Carroll, que segundo eles, era nome de “mulherzinha.”

Um dos amiguinhos de Carroll era Duane, que tinha 9 anos de idade. Quando Duane pulou na água, Carroll resolveu vingar as inúmerias piadinhas que recebia do amiguinho.

“Eu puxei suas pernas e segurei sua cabeça até ter certeza de que ele estava morto,” disse Carroll vários anos depois.

O afogamento do pequeno Duane foi tratado como acidental pela polícia e só seria confessado por Carroll décadas depois. O pequeno psicopata cresceu praticando roubos e aos 15 anos foi flagrado por policiais em atitude suspeita na cidade de Richmond. Ao ser parado pelos policiais Carroll fez uma revelação desesperadora:

“Estou louco para estuprar e estrangular uma mulher!” Ele foi internado para observação em um hospital psiquiátrico e foi lá que veio o seu diagnóstico:

“O paciente é um possível psicopata sexual, potencialmente perigoso para a sociedade. Não é adequado à sua liberação e recomendamos sua internação para tratamento psiquiátrico devido ao seu sadismo e às suas anormais tendências sexuais,” disse uma Junta médica.

Em 1962 Carroll foi transferido para o Hospital Psiquiátrico Estadual de Stockton pois médicos psiquiatras que cuidavam do seu caso em Richmond tiveram dificuldades em tratá-lo devido a complexidade do seu caso. Em Stockton, ele foi atendido pelo psiquiatra I. Weiss que notou em Carroll um medo profundo da figura feminina. Para o psiquiatra, a mente de Carroll só permitiria ele ter relações sexuais com mulheres se ele primeiro as matassem.

Carroll foi solto em 19 de abril de 1963 e 7 anos depois apareceu por espontânea vontade em uma delegacia na cidade de Reno, estado de Nevada. Lá, ele novamente confessou a policiais que o desejo por estuprar e matar mulheres bonitas o estava corroendo por dentro. Ele foi novamente internado em um hospital psiquiátrico. Lá, mais uma vez o diagnóstico foi de psicopatia.

Antes de completar 30 anos, Carroll Edward Cole internou-se 3 vezes em hospitais psiquiátricos e em nenhuma vez obteve o tratamento adequado. Não é só aqui no Brasil que as coisas não funcionam. Em paises do chamado primeiro mundo também. Carroll passou pelas mãos de vários psiquiatras e nenhum deles parece ter visto o real demônio que morava em seu coração. Essa incompetência ou falta de compromisso custou a vida de 16 pessoas. Sim! Após sair da terceira internação, Carroll Edward Cole, que aos 8 anos assassinou um amiguinho, virou um mortal serial killer.

Carroll virou um alcoolatra que pegava mulheres em bares e nas ruas e as estrangulavam. Enterrava um corpo ali, jogava outra no rio lá, e assim foi sua vida de 1971 até 1980, o ano em que finalmente foi preso. Sua história assemelha-se a outro famoso serial killer norte-americano, Jeffrey Dahmer. Assim como Dahmer, Carroll sabia que seus pensamentos não eram certos e sua única salvação foi a bebida, ele bebia para tentar espantar seus pensamentos. Carroll estava sob o efeito de alcool na maioria dos seus assassinatos e em muitos deles não lembrava de absolutamente nada.

Em 1977 ele acordou no quarto de um hotel e havia uma mulher em uma banheira, sem os braços e pernas. Seus órgãos estavam em uma geladeira. Suas nádegas estavam cortadas e havia carne frita em cima de uma frigideira no fogão. Carroll não lembra, mas ele havia praticado canibalismo. Confessou mais de 30 assassinatos mas “apenas” 16 mortes puderam ser confirmadas com provas.

Peter Kurten
Outra criança psicopata assassina que se tornaria um macabro serial killer quando adulto foi o alemão Peter Kurten.

Crescido em um ambiente familiar desestruturado, o pequeno Kurten parece ter herdado a psicopatia da família do pai, uma família com inúmeros casos de doenças mentais. Seu pai, inclusive, estuprava os filhos e os forçavam a fazer sexo com a mãe, sua esposa no caso. Mas diferentemente dos seus irmãos, o sexo parecia o agradar já que aos 6 anos ele já estuprava suas irmãs. Logo o pequeno alemãozinho voltou sua fúria sexual aos animais ao começar a esfaquear ovelhas enquanto fazia sexo com elas.

Aos 9 anos um acontecimento mostrou que os problemas do pequeno Kurten não se restringia apenas a um comportamento sexual bizarro. Seus dois primeiros assassinatos ocorreram quando ele tinha 9 anos. Ao brincar em uma balsa no Rio Rhine, que corta a cidade de Dusseldorf, Alemanha, Peter Kurten afogou um coleguinha. Quando outro coleguinha pulou na água para tentar salvar o que estava afogando, Kurten segurou sua cabeça até que ele afundasse no rio.

Já adulto, Peter Kurten começou a atacar mulheres para obter prazer sexual. Leia-se: Estuprar e esfaquear uma mulher com tesouradas ou um punhal, para que, com o contato com o sangue, pudesse ter ereção. Também tinha orgasmos ao beber o sangue que jorrava diretamente do pescoço das vítimas. Logo sua urgência em matar se estenderia a crianças e homens.

O nível de perversão sexual de Peter Kurten é algo que entrou para a história. Médicos da época ficaram tão abismados com o comportamento do alemão que, após ser decapitado, sua cabeça foi mantida para estudos. Seria o cérebro de Peter Kurten diferente do de pessoas comuns?

Outros Casos

Em 1986, o americano Jeffrey Bailey Jr, de 9 anos, foi deixado sozinho com o amiguinho Ricky Brown, de 3 anos. Jeffrey levou Ricky para a beira de uma psicina e o empurrou lá dentro. Ricky se debateu por vários minutos, gritando por socorro.

“Em vez de estender o braço, Jeffrey puxou uma cadeira para assistir à morte do menino. Depois foi para casa”, diz a psicóloga forense Katherine Ramsland, da Universidade DeSales, nos EUA.

Ao se encontrar com um vizinho, Jeffrey perguntou “o que era a gosma branca” que sai do nariz de uma pessoa que se afoga. A polícia encontrou o corpo de Ricky às 18h40, cerca de 8 horas após o afogamento. “Foi um acidente”, mentiu Jeffrey.

“Ao ser interrogado, o garoto se mostrou indiferente à morte do amigo. Ele estava mais preocupado em ser o centro das atenções do que em sentir qualquer tipo de remorso pelas coisas que havia feito”, conta Ramsland.

O paulista assassino

Aos 9 anos, uma criança paulista (nome não divulgado) enforcou a empregada de sua casa usando uma gravata que pertencia ao pai. Ele passou a gravata em torno do pescoço da mulher, fez um laço num cano e puxou. Ele não chegou a suspender sua vítima. Ela desmaiou e acabou se enforcando com o próprio peso.

“O menino apresentava um distúrbio de comportamento violentíssimo. Esfregava fezes na parede ou as atirava nas pessoas. Também tinha perversões sexuais com crianças do mesmo sexo. O garoto não era vítima de pedófilos maiores de idade. Ele é que tomava a iniciativa das ações sexuais. Pegava pedaços de madeira para empalar outras crianças, por exemplo”, revela, sob anonimato, o médico que o atendeu.

O caso da criança paulista foi abafado pela família e não houve nenhum tipo de punição ao garoto. (Fonte: Superinteressante, maio de 2012)

Os Torturadores de Animais

“Qualquer pessoa que, uma vez, chegue à conclusão de que a vida de qualquer animal é indigna de ser vivida, existe o risco de que um dia ele também chegue a conclusão de que a vida humana não vale nada,” escreveu certa vez o humanista Albert Schweitzer.

Hoje, os atos violentos contra animais são considerados indicadores de transtorno mental. Nos Estados Unidos, estudos têm convencido sociólogos, legisladores e tribunais de que atos de crueldade contra animais merecem sim a nossa atenção. Esses atos podem ser os primeiros sinais de uma doença mental que levará os atacantes a serem violentos com seres humanos.

“Assassinos … suas carreiras muitas vezes começam na infância, torturando ou matando animais,” disse o agente do FBI Robert K. Ressler, o mais famoso especialista em serial killers.

Ressler não está sozinho.

“Uma das coisas mais perigosas que pode acontecer a uma criança é matar ou torturar um animal e não acontecer nada com ela.” Margaret Mead, antropologista.

“Desde quando eu era um jovem promotor eu testemunho a correlação direta entre crueldade de animais e violência contra seres humanos. O abuso de animais é o primeiro indicador doméstico de violência. Uma criança que abusa de animais, exibe desprezo pela vida e mais cedo ou mais tarde irá atacar pesoas.” Jeanine Pirro, Promotor do Condado de Westchester, Nova York.

Abuso e violência contra animais podem ser sintomas de um profundo distúrbio. Pesquisas nos campos da psicologia e criminologia mostram que pessoas que começam abusando de animais, seja na infância ou na vida adulta, acabam perpetuando os mesmos abusos contra pessoas.

O FBI foi o primeiro a descobrir essa ligação. Desde os anos 70, quando as informações de crimes puderam ser armazenadas em bancos de dados devido ao surgimento da computação e melhor analisadas, eles notaram que repetidos atos de violência contra animais é uma das características comuns em estupradores seriais e assassinos com psicopatia. Estudos atuais mostram que criminosos violentos são mais suscetíveis a abusar de animais. Em 2010, a Universidade da Flórida realizou um estudo com pacientes do seu departamento de psiquiatria que repetidamente torturavam cães e gatos. O estudo mostrou que todos eles mostravam altos níveis de agressividade para com pessoas, inclusive um dos pacientes havia assassinado uma criança.

Outro estudo realizado pela Universidade do Noroeste (Boston) e pelo Massachusetts SPCA (Sociedade de Prevenção Contra Crueldade a Animais) concluiu que pessoas que na infância abusam de animais, são cinco vezes mais propensas a cometerem crimes violentos contra humanos. Os pesquisadores entrevistaram centenas de prisioneiros que estão no corredor da morte da Penitenciária de San Quentin na Califórnia e mais de 80% deles afirmaram terem cometidos abusos contra animais na infância.

Crianças podem abusar de animais a fim de imitar um membro abusivo da família. Também podem abusar de animais a fim de descarregar sua raiva e ansiedade. Mas também podem abusar de animais pelo simples fato de serem maus. De qualquer forma, deve-se ficar atento.

A tortura e morte de animais é uma das características presentes em crianças com psicopatia. Já passou da hora das autoridades reconhecerem que o abuso para com qualquer ser vivo é inaceitável e constitui um perigo para a sociedade. Além disso, crianças devem ser ensinadas a respeitar os animais e cuidar deles. Se uma criança constantemente abusa de animais, mesmo após o conselho dos pais, é sinal de que algo deve ser feito.

É necessário que a sociedade exerça uma pressão maior em escolas e também nas autoridades judiciais em casos que envolvam abusos de animais. Leis devem deixar claro que o abuso contra esses seres vivos é inaceitável. Os pais devem ficar de olhos nos filhos, não devem ignorar o filho que age cruelmente com animais. Juízes, promotores, policiais, assistentes sociais e investigadores precisam reportar em relatórios abusos contra animais, isso será importante para avaliar se alguém representa uma ameaça à família e á sociedade. Essa análise pode evitar casos como os que eu contarei abaixo.

Foi na infância que o norte-americano Edmund Kemper mostrou os primeiros indícios de comportamento psicopata. Além de brincar com as bonecas da irmã simulando bizarros comportamentos sexuais, o pequeno Kemper gostava de enterrar vivos gatos que encontrava pela região. Cansado de enterrá-los vivos, o futuro serial killer começou a decapitar gatos e espetar sua cabeças em varas. Não é difícil imaginar o que uma criança que brinca de decapitar gatos fará quando crescer. Em 1964, aos 15 anos de idade, Edmund Kemper começou o seu reinado de sangue assassinando os avós em uma fazenda. Foi internado em um hospital psiquiátrico onde testes reveleram ter um QI de 136. 5 anos depois saiu do hospital para continuar matando. Assassinou mais 6 pessoas em 9 meses. Kemper matava garotas colegiais, levava os corpos para o porão da casa da sua mãe e os dissecava. Decapitava os corpos e fazia sexo com o cadáver sem cabeça.

Em abril de 1973, Edmund Kemper assassinou a própria mãe com um martelo, a decapitou, pegou sua cabeça e usou para praticar sexo oral. Retirou suas cordas vocais e jogou fora, pois segundo ele: “mesmo morta, ela não parava de gritar comigo!”

Após assassinar a mãe Edmund Kemper se integrou a polícia por vontade própria e disse que gostaria de ser torturado até a morte. Na cadeia se tornou um prisioneiro exemplar, lendo livros que eram gravados em fita para serem ouvidos por cegos.

Perguntado certa vez por um repórter sobre o que ele pensava ao ver uma menina bonita andando na rua, Kemper respondeu:

“Eu imagino como ficaria sua cabeça em um espeto.”
Os 3 filhos do canadense Keith Hunter Jesperson não devem ter boas lembranças do papai. O gigante de mais de 2 metros de altura costumava torturar gatos no quintal de sua casa para horror dos filhos.

“Meu pai costumava matar gatos que andavam pelas redondezas. Uma vez vi ele quebrando o rabo de vários gatos e pendurando-os pelo rabo, com um nó, no varal do quintal. Sai correndo e contei para minha mãe, quando voltamos os gatinhos estavam mortos no chão e meu pai rindo,” disse Melissa Moore, filha de Keith no livro “Silêncio Quebrado: A História Não Dita da Filha de Um Serial Killer.”
Interessante a fala da filha de Keith Hunter pois notamos que o serial killer continuou na vida adulta o que ele fazia quando criança: Torturar e matar animais. Keith Hunter teve uma infância difícil, cresceu sem o apoio dos pais e constantemente sofria bullying dos seus colegas devido à sua altura desproporcional. Gostava de torturar pássaros, gatos e cachorros que ele pegava nas ruas. Espancava-os com barras de ferro até a morte. Começou aos 6 anos esmagando cabeças de esquilos e, segundo ele próprio, aos 20 já tinha matado tudo quanto é animal que conhecia.

“Eu era Arnold Schwarzenegger. Era como se eu brincasse de guerra. Quando eu olhava para os cães, eles morriam de medo. Agachavam e faziam xixi. Ficavam tão assustados ao me ver que começavam a tremer. Você chega ao ponto em que matar não é nada demais. É a mesma sensação (matar animais e humanos). Você sente a pressão na gargante deles (animais) tentando respirar. Você realmente tira a vida desses animais e não há muita diferença. Eles lutam por suas vidas tanto quanto um ser humano,” disse ele para espanto de uma repórter que o entrevistou na prisão.

Se você acha que os pais do pequeno monstrinho foram negligentes você acertou. Mas pior do que a negligência é a cumplicidade.

“Uma vez meu pai me viu jogando um gato contra o chão e estrangulando-o. Ele ficou com orgulho do que eu fiz com o gato e se gabava com os vizinhos sobre como eu havia se livrado dos cães e gatos das redondezas. Isso me fez continuar matando e logo comecei a pensar como seria matar um ser humano.” Disse Keith Hunter.

Após separar-se da esposa em 1990, começou uma onda de matança nos Estados Unidos que durou 5 anos. Suas vítimas eram prostitutas e mulheres que ele conhecia em postos e bares de estradas (ele era motorista de caminhão). Matou a esmo durante 5 anos até cometer o erro de matar uma ex-namorada.

Keith Hunter confessou mais de 160 assassinatos descrevendo suas vítimas do sexo feminino como “pilhas de lixo.” Ficou conhecido como “O Assassino da Cara Feliz”, por desenhar um rosto sorrindo nas cenas dos crimes.
A cidade de Matamoros, no México, faz divisa com o estado norte-americano do Texas. A cidade mexicana tem sido um popular local turístico para estudantes norte-americanos. Desde os anos de 1930, centenas deles todos os anos cruzam a fronteira em busca de aventuras e diversão.

Em 14 de Março de 1989, um desses estudantes, Mark Kilroy, um estudante de medicina da Universidade do Texas, desapareceu sem deixar vestígios em Matamoros. O que ele e sua turma de amigos não sabiam, é que de janeiro a março de 1989, mais de 60 desaparecimentos haviam sido contabilizados pela polícia da cidade.

O caso logo ganhou repercussão. Afinal: Mark Kilroy era americano, branco e de família rica. Uma recompensa de 15 mil dólares foi oferecida e a polícia mexicana organizou uma força-tarefa para investigar o desaparecimento.

O desfecho do caso foi feito quase que por acidente. Em uma investigação sobre tráfico de drogas, a polícia mexicana invadiu um rancho chamado Santa Elena. Lá eles fizeram uma descoberta macabra. Além de grandes quantidades de maconha e cocaína, os policiais descobriram um galpão do que parecia ser um altar coberto por manchas de sangue, cabelo humano e massa cinzenta e decorado com uma cabeça de bode. Um dos presos na operação policial disse ter visto “um gringo loiro” amarrado na parte traseira de uma van. Essa foi a senha para uma descoberta ainda mais macabra.

Foram encontrados 15 corpos enterrados no rancho. O local era a sede de um culto de adoração satanista de traficantes utilizado para sacrifícios humanos. Mark Kilroy fora sacrificado a Satã em troca de proteção ao culto contra a polícia. Cada vez que uma grande transação de drogas era concretizada, um jovem ou menino era sacrificado no altar. O coração e o cérebro das vítimas eram arrancados e fervidos em um guisado canibal antes de o corpo ser decapitado e a espinha dorsal extirpada.

O corpo de Mark Kilroy estava entre os 15 corpos encontrados no rancho. Seu cérebro estava em um pote juntamente com escorpiões e aranhas. Ao lado havia vários outros ítens os quais a polícia não pôde identificar.

Segundo o preso, Mark Kilroy foi morto pelo líder da seita, o todo-poderoso Adolfo de Jesus Constanzo, conhecido como “O Padrinho”. Adolfo liderava a seita juntamente com a segunda na hierarquia, Sara María Aldrete Villareal, a alta sacerdotisa do grupo, conhecida como “A Madrinha.”
A mexicana Sara María Villarreal Aldrete, conhecida como “A Madrinha”. Bonita, atraente e inteligente, estudou educação física na Universidade do Texas e teve o seu destino traçado quando conheceu um poderoso narcotraficante mexicano, Gilberto Sosa.

Adolfo de Jesus Constanzo cresceu em Miami e desde pequeno teve contato com o ocultimo. Sua mãe, uma cubana que tinha o simpático apelido de “bruxa” por seus vizinhos, foi quem introduziu o pequeno garoto nas artes das trevas. Por influência ou não dela, uma das principais diversões do pequeno Adolfo era torturar e matar pequenos animais. E não era só isso, ele gostava de realizar rituais com galinhas, gatos e quaisquer outros animais que pudesse encontrar.

Como todo psicopata, Adolfo era encantador e manipulador. Frequentava os melhores ambientes e conseguia os melhores aliados que um psicopata pode ter: de famosas pessoas do showbusiness a poderosos políticos mexicanos. De poderosas pessoas do showbusiness a importantes chefes de polícia. Ele sempre conseguia o que queria. Prova disso é que ele planejou cuidadosamente o encontro com a linda Sara Maria Vilarreal Aldrete, a moça de família que ele posteriormente introduziria para a arte das trevas.

Adolfo é mais um exemplo de um pequeno psicopata que cresceu torturando e matando animais e já na vida adulta passou para uma etapa, digamos, mais avançada: A tortura e morte de humanos. O psicopata satanista e assassino foi morto em 6 de maio de 1989 por um dos seus guarda-costas (ele obrigou o guadra-costas a matá-lo após a polícia cercar o prédio onde estava). Sara Maria Aldrete foi condenada a 62 anos de cadeia pelos crimes. Estima-se que o grupo liderado pela dupla tenha assassinado no mínimo 30 pessoas.
No início dos anos de 1940 a Europa ardia nas chamas da Segunda Guerra Mundial. Milhões de judeus eram mortos, outros milhões de soldados truçidados nos campos de batalha, cidades eram deixadas aos cacos por aviões bombardeiros e tanques de guerra. Famílias eram separadas, mães perdiam seus filhos e filhos perdiam seus pais. E era no meio dessa tragédia que um dos maiores serial killers europeus agia impunemente.

Em março de 1944, bombeiros e policiais chegaram até a Rue de Le Sueur, número 21, em Paris, na França. Havia fumaça saindo do local e um cheiro muito estranho, o que fez com que um vizinho os chamassem. E foi lá, nesse estranho local, que eles encontraram o cemitério de um serial killer.

Um braço humano queimava em uma fornalha. Centenas de ossos e partes de corpos estavam empilhados em uma adega. Na garagem, escalpos e mandíbulas estavam enterrados sob cal. Em um poço, corpos humanos desmembrados em vários estágios de decomposição. Na escada que levava ao porão, um saco contendo a metade, sem cabeça, de um corpo.

Começava a caçada humana ao dono da casa, um médico bastante conhecido na França, o Dr. Marcel André Henri Félix Petiot .

“Ordem das autoridades alemãs. Prendam Petiot. Perigoso e lunático.” Dizia o comunicado da Polícia Alemã (que ocupava Paris na época).

Como a maioria dos psicopatas que se tornaram assassinos na vida adulta, Marcel Petiot começou na infância torturando e matando animais. O comportamento do pequeno psicopata também não era comum. Fazia brincadeiras com conotação sexual com os amiguinhos e até tentou fazer sexo com um deles quando tinha apenas 10 anos de idade. Seu comportamento explosivo o fez ser expulso duas vezes de escolas. Uma de suas diversões preferidas era capturar pássaros e espetar seus olhos com agulhas, fazia o mesmo com gatos e outros pequenos animais.

O comportamento errante na infância só poderia progredir para a vida criminosa quando adulto, e foi isso o que aconteceu. Em 1914, aos 17 anos, foi preso por roubo. A partir daí foi internado várias vezes:

“um jovem anormal sofrendo de problemas pessoais e hereditários que limitam seu sentimento de culpa … desequilíbrio e depressão mental, melancolia, obsessões e fobias” diziam seus laudos psiquiátricos.

Em 1940, aproveitou o pandemônio da II Guerra Mundial para enganar judeus dizendo que os levariam para locais seguros. Dezenas deles acreditaram e dezenas deles acabaram em seu cemitério particular. Na foto (em seu julgamento) acima é possível ver ele e as malas de dezenas de suas vítimas. Estima-se que Petiot tenha assassinado no mínimo 60 pessoas.

“Cavalheiros, peço que não olhem. Isso não vai ser muito bonito.” Disse Petiot antes de ser decapitado na guilhotina em 25 de Maio de 1946.
Em uma segunda-feira do dia 29 de janeiro de 1979, a escola Groover Cleveland Elementary School em San Diego, Califórnia, teve o seu dia de horror. A escola amanheceu sob uma chuva de balas de um atirador. A chuva de tiros vinha da casa em frente ao colégio. O diretor da escola, Burton Wragg, 53 anos, foi morto ao tentar proteger as crianças que entravam para mais um dia de aula, assim como Mike Suchar, 56 anos, o zelador do colégio que tentava ajudar o diretor que agonizava no chão.

20 minutos após os primeiros tiros a polícia cercou a casa e permaneceu lá por mais de 6 horas. O atirador não queria se entregar e chegou a ferir um policial. Quando a polícia finalmente conseguiu prender o atirador, a grande surpresa: O assassino na verdade era uma assassina, uma adolescente de apenas 16 anos de idade.

“Não gosto de segunda-feira. Isso anima o dia. Não houve motivo, e foi só uma grande diversão. Como atirar nos patos de um lago. (As crianças) pareciam um rebanho de vacas andando por lá, foi fácil acertá-las,” disse para espanto dos policiais a atiradora, Brenda Ann Spencer.

Investigando a infância de Brenda a polícia descobriu que a estranha menina tinha uma característica comum em grande parte dos psicopatas assassinos: A tortura de animais. Na infância, Brenda gostava de colocar fogo no rabo de gatos e ver o desespero dos bichanos. Da tortura para o assassinatos dos gatinhos foi um pulo.

AUTOR: oaprendizverde

Nenhum comentário:

Postar um comentário

IMPORTANTE

Todos os comentários postados neste Blog passam por moderação. Por este critério, os comentários podem ser liberados, bloqueados ou excluídos. O MUNDO REAL 21 descartará automaticamente os textos recebidos que contenham ataques pessoais, difamação, calúnia, ameaça, discriminação e demais crimes previstos em lei. GUGU

VEJA TAMBÉM Plugin for WordPress, Blogger...

ME SIGA NO TWITTER!